Províncias

Escola modelo em Caluquembe

Domingos Mucuta | Lubango

O sector da Educação em Caluquembe, na Huíla, vai, no próximo ano, ser reforçado com a construção de uma escola modelo, no quadro do Programa de Investimentos Públicos (PIP).

Centenas de crianças vão apartir do próximo ano lectivo estudar em melhores condições
Fotografia: Arimateia Baptista

As obras de construção da futura escola, com 24 salas, estão orçadas em cerca de 601 milhões de kwanzas e ficam concluídas no primeiro trimestre do próximo ano. A entrada em funcionamento do estabelecimento de ensino vai absolver mais 2.500 crianças no sistema de ensino.
A escola, a primeira do género no município de Caluquembe, vai dispor de auditórios, anfiteatros com capacidade de 300 pessoas, jangos, bibliotecas, pátios, refeitório, laboratórios de química, física e biologia, campos polivalentes, gabinetes administrativos e outros espaços.
A população sentem-se feliz pela construção de uma escola na comunidade e esperam que outras obras de impacto social sejam igualmente erguidas. “É um momento de alegria, porque felizmente os nossos vão poder estudar numa boa escola”, disseram. 
Além do município do Caluquembe, o Governo Provincial  da Huíla vai igualmente construir, ainda este ano, escolas do género no Lubango e Quilengues, numa altura em que Jamba, Matala, Caconda já dispõem de unidades escolares com dimensões e condições idênticas e cuja experiência está a ser aplaudida pela população. No município de Caluquembe, as autoridades trabalham na ampliação de salas de modo acolher mais crianças no sistema de ensino e também na criação de condições de acomodação para os professores, à luz do Programa Municipal Integrado de Combate à pobreza. 
O ministro da Educação, Pinda Simão, inaugurou na localidade do Gando, comuna da Negola, uma escola primária com seis salas e residência do tipo T3 para professores.
A nova escola primária, orçada em 33 milhões de kwanzas, vai acolher centenas de crianças que estudavam em condições precárias na localidade A residência, que custou sete milhões de kwanzas e está mobilada, foi erguida com para evitar a fuga de professores, antes obrigados a voltar à sede do município por falta de casa na localidade.
 Ao lado do recinto da escola foi instalado um sistema de abastecimento de água potável com capacidade de bombear 500 litros por hora, que beneficia cerca de 20 mil habitantes, num investimento avaliado em nove milhões de kwanzas.
A rede escolar  no município comporta 31 estabelecimentos de ensino que acolhem cerca de 50 mil alunos.

Tempo

Multimédia