Províncias

Estradas reparadas necessitam de obras

Estanislau Costa | Lubango

As estradas Lubango-Namibe, Lubango-Caconda, Quilómetro 42-Matala e Lubango-Chibemba, já reabilitadas, têm de ter obras de manutenção regulares, disse, na quinta-feira, ao Jornal de Angola, o director local do Instituto Nacional de Estradas de Angola.

Desgaste causado pelo trânsito constante de veículos agrava o estado das vias
Fotografia: Arão Martins |

As estradas Lubango-Namibe, Lubango-Caconda, Quilómetro 42-Matala e Lubango-Chibemba, já reabilitadas, têm de ter obras de manutenção regulares, disse, na quinta-feira, ao Jornal de Angola, o director local do Instituto Nacional de Estradas de Angola.
Florêncio Teófilo afirmou ser importante “manter impecável e tornar cada vez mais longa a duração das principais vias de comunicação, reconstruídas pelo Executivo” É urgente, referiu, a intervenção em alguns troços para evitar que o desgaste causado pelo trânsito constante de veículos agrave o estado das estradas.
Florêncio Teófilo frisou que as enxurradas da época chuvosa passada são também responsáveis pelo aumento da degradação das principais vias de comunicação e deu o exemplo da Estrada Nacional 280, que liga as cidades do Lubango e do Namibe, que esteve alguns dias cortada devido aos estragos causados pelas chuvas.
A corrente da água das chuvas, disse, destruiu a ponte do rio Giraúl, no Namibe, e a elevada humidade provocou o desmoronamento de pedras enormes e de terra do topo da serra, na estrada da Leba, pondo em perigo o trânsito de automóveis e de pessoas. “A estrada da serra da Leba ficou parcialmente destruída e há, em algumas partes do troço, até a comuna do Caraculo (Namibe), vestígios de deterioração, razão para se criarem condições e começarem as obras de restauração para as próximas chuvas não agravarem a situação”, afirmou. O estado actual da estrada da Leba, referiu, já é do conhecimento das estruturas competentes e, por isso, vão começar, em breve, as obras de reconstrução dos troços destruídos pelas chuvas e pelos deslizamento de pedras e de terra.
Os técnicos do INEA e de construtoras especializadas em estradas efectuaram o reconhecimento de uma área com condições de servir de via alternativa, em caso da estrada da serra da Leba se tornar intransitável.
A via alternativa, com um percurso de 120 quilómetros, começa no município da Chibia, passa na localidade de Cainde e sai depois da estrada da Leba.
Para descongestionar o trânsito de camiões do Cunene para Namibe e vice-versa estão a ser feitas obras na estrada que sai do quilómetro 16, passa pela comuna da Huíla e atinge a via que dá para a comuna da Palanca, no município da Humpata, ligando a Estrada Nacional 280.  “Quando a via estiver pronta, os camiões de grande porte deixam de passar pelo centro da cidade do Lubango e passam a utilizar o novo troço”, disse.

Trabalhos a bom ritmo

Os troços Cuvango-Menongue, Negola-Cacula e Cacula-Quilengues estão em obras.
Os trabalhos na nova via, que dá para Menongue, decorrem a bom ritmo, tendo já sido colocada a sinalização na zona do Cutato e no troço Cacula-Quilengues, com 56 quilómetros, estão ser criados pontos de drenagem das águas pluviais e das chuvas.
O troço, pelo seu estado, cria problemas à circulação de veículos ligeiros e pesados, tornando o percurso moroso e criando avarias constantes nas viaturas.

Tempo

Multimédia