Províncias

Famílias abandonam as zonas de risco

Domingos Mucuta | Lubango

Efectivos do Comando Provincial da Huíla de Protecção Civil e Bombeiros intensificam, desde finais de Agosto, as campanhas de sensibilização das famílias que residem em zonas de risco, nos bairros periféricos da cidade do Lubango, para prevenir sinistros na época chuvosa, anunciou o porta-voz da corporação.

Os efectivos da Protecção Civil e Bombeiros intensificaram as acções de sensibilização para o abandono das zonas de risco
Fotografia: Francisco Bernardo

Inocêncio Hungulo disse ao Jornal de Angola que os agentes do corpo provincial dos bombeiros, em parceria com as Administrações Municipais e dos bairros, estão a aconselhar as famílias a abandonarem os locais catalogados como áreas de risco.
O porta-voz da corporação disse que cerca de mil famílias da Huíla residem ainda em zonas de risco. Disse que os bombeiros catalogaram como zonas de risco as encostas de montanhas, margens de rios e locais susceptíveis a descargas eléctricas.
O caso das famílias que residem a escassos metros do leito do rio Caculuvar é preocupante. O rio regista um forte caudal durante as chuvas, banhando os bairros Mapunda, Comandante Cow-Boy, Comercial, Hélder Neto, 14 de Abril e Tchioco.
“O Comando Provincial dos Bombeiros realiza palestras com as populações, nas quais distribui cartilhas, com conselhos úteis sobre os perigos de residir em zonas susceptíveis de sinistros. O objectivo é prevenir e evitar a perda de vidas humanas no tempo chuvoso”, disse.  As informações disseminadas no seio das comunidades, acrescentou, têm surtido o efeito desejado, pelo facto de algumas famílias notificarem o corpo provincial da Protecção Civil e Bombeiros antes de construir residências, o que estimula a continuação do trabalho.
“O número de famílias que residem em zonas de risco tende a baixar, fruto do trabalho de sensibilização e mobilização das populações para acatar os conselhos dos bombeiros e das administrações, que continuam a distribuir terrenos nas novas urbanizações para a auto-construção dirigida”, frisou.
O porta-voz dos bombeiros na província da  Huíla disse que a corporação está preocupada com os casos de fogo posto e negligência de alguns adultos que deixam velas sob cuidados de crianças e ao lado de material propenso à combustão. Os curto-circuitos são também principais causas de incêndios fatais.
O Comando Provincial da Protecção Civil e Bombeiros trabalha para a instalação de postos em todos os municípios da província, numa altura em que existem destacamentos na Jamba e Caculo e dois postos de socorro a casos de sinistralidade rodoviária na estrada Lubango-Luanda e no sentido Cunene.

Tempo

Multimédia