Províncias

Festas da Senhora do Monte mostram o potencial agrícola

Estanislau Costa | Lubango

O incentivo à materialização de projectos favoráveis à diversificação económica, com o foco na agro-pecuária, pequenas e grandes indústrias marca a 30ª edição das Festas da Nossa Senhora do Monte, aberta hoje e até ao dia 28 deste mês.

As festas da Nossa Senhora do Monte têm um cariz muito diferente das anteriores devido à actual situação de crise causada pela baixa do preço do crude que o país e outras nações vivem
Fotografia: Arimateia Baptista | Huíla

O administrador municipal do Lubango, Francisco Barros, disse ao Jornal de Angola que foram já mobilizados os grandes e pequenos criadores de gado de raça e autóctone, assim como as fazendas produtoras de hortofrutícolas, cereais e tubérculos para apresentarem os seus produtos.
“As festas têm um cariz muito diferente das outras, devido à actual situação de crise causada pela baixa do preço do petróleo que o país e outras nações vivem”, afirmou, para acrescentar que se trata de uma edição onde vão vincar a criatividade e a inovação dos participantes.
Francisco Barros anunciou que os empresários agro-pecuaristas vão aderir em massa à Feira Agro-pecuária, onde a inscrição já atingiu 25 por cento, com garantias de expor-se acima de 560 animais de raças melhoradas e autóctones. Já a maior bolsa de valores do sul de Angola, Expo-Huíla, vai contar com 250 expositores.
Até ao momento, estão confirmadas a presença nas duas feiras das províncias do Namibe, Cunene, Benguela, Luanda e Cuanza Sul. O presidente da Associação Agro-pecuária Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), Paulo Gaspar, afirmou que a Expo-Huíla abre as portas no dia 10, desafiando os empresários a apresentarem as suas iniciativas no processo de transformação e conservação dos produtos nacionais.
O secretário executivo da Cooperativa dos Criadores de Gado do Sul de Angola, Álvaro Fernandes, explicou que a exposição de animais e de produtos agrícolas contempla ainda pinturas de arte sobre o sector pecuário e concurso de gastronomia de carne bovina de diferentes raças. “Vamos leiloar mais de 200 cabeças de gado bovino das raças bosmara, simbra, brahman e nelore, incluindo alguns suínos, caprinos e equinos", disse.
Para mostrar o potencial pecuário da região sul, foram seleccionados mais de 350 animais para exposição e cada criador vai explicar as técnicas utilizadas na criação, sanidade, ração usual e procedimentos para o abate.
 A organizadora programou a realização de jornadas técnicas internacionais de criação de gado bovino, para abordagem de questões que se prendem com a produção de carne, genética e melhoramento animal, sanidade, maneio, gestão agro-pecuária e pasto, entre outros.
A ementa da 30ª edição das Festas da Nossa Senhora do Monte prescreve ainda a realização da tradicional procissão e missa campal, a eleição da Miss-Huíla, os parabéns ao camarada Presidente e workshop sobre o turismo, a ser promovido pela FESA.  Fazem ainda parte das acções, torneio de tiro aos pratos e de ténis de mesa e a outorga de diplomas dos estudantes do ISPI, entre outras.

História das festas

A primeira Festa da Senhora de Monte ocorreu a 15 de Agosto de 1902 e sempre na capelinha, onde os devotos provenientes da Madeira (Portugal) solicitaram ao pároco de S. José do Lubango, padre Manuel da Luz, um patrocínio para a edificação da capela em honra à Nossa Senhora do Monte, em 1901. A imagem de Nossa Senhora do Monte só chegou a Sá da Bandeira em 29 de Junho de 1903. A companhia dos Dragões do Planalto ofereceu o missal, o sino e outros bens. João Azevedo entendeu agregar, em 1919, um grupo de cidadãos com o fim de substituir a velha capela por outra mais apropriada, a construir no monte.
A capelinha não se podia avistar de longe, como a Senhora do Monte da Madeira. No parque, estava muito escondida. Queriam poder olhá-la das suas casas. Desejavam que a Senhora do Monte os visse a trabalhar nos seus campos e contemplasse as suas sementeiras para as abençoar.
João de Azevedo fez o projecto da actual capela, imitando a traça do templo de Nossa Senhora do Monte, na Madeira.  Foi empreiteiro da obra Constantino Roumeliotis, que ergueu a actual ermida. ­Foram utilizados ­t­ijolos e madeira da antiga capela. O terreno com a casa do local onde existira a antiga capela foi comprado por João Ricardo.
Foi a partir de 15 de Agosto de 1930, que a imagem de Nossa Senhora do Monte passou a ser levada em procissão da sua capela para outra improvisada no parque, pois tornava-se difícil a muitos devotos, já velhos, subirem a encosta do monte.
A tradição das Festas da Nossa Senhora do Monte, a certa altura, quase se perdia. Mas, em 1952, um grupo de homens bons desta cidade tomou a peito a tarefa de fazer reviver com todo o brilho a antiga tradição.   Assim, a 15 de Agosto, todos os caminhos vão dar à capelinha da Nossa Senhora do Monte, uma referência para os católicos e turistas nacionais e estrangeiros.

Tempo

Multimédia