Províncias

Figura do supervisor presente nas escolas

Domingos Mucuta| Lubango

A figura de supervisor pedagógico está cada vez mais presente nas escolas na província da Huíla em resultado das acções em curso para melhorar a actividade docente educativa, reconheceram na sexta-feira, no Lubango, os supervisores e formadores municipais.

Agentes de ensino pediram ao Governo para criar condições e subsídios que viabilizem o bom desempenho dos supervisores nas escolas
Fotografia: Domingos Mucuta| Lubango

O reconhecimento foi manifestado em comunicado no final de um seminário de actualização, realizado entre os dias 3 e 17, no Lubango, enquadrado nos programas de actualização, previstos para os períodos de pausas pedagógicas.
Os participantes no seminário realçaram as acções em curso para consolidar a figura de supervisor pedagógico nas escolas da província, como um valor acrescentado para a melhoria da qualidade de ensino e aprendizagem.
O encontro concluiu que a supervisão pedagógica articula a pedagogia por objectivos e a pedagogia de integração, para formar alunos competentes. Os supervisores pedagógicos declararam estar prontos para garantir a qualidade de ensino, nos 14 municípios da província.
“Comprometemo-nos em aplicar com competência os conhecimentos adquiridos em matéria de supervisão, através de acções conjuntas nas Zonas de Influência Pedagógica, grupos de inter-apredizagem, coordenação de classes e de disciplina, de forma a acompanhar a dinâmica da Reforma Educativa”, afirmaram. Os agentes de ensino pedem ao Governo Provincial e à direcção do sector, assim como às repartições municipais da Educação Ciência e Tecnologia, que criem condições e subsídios, que viabilizem o desempenho do supervisor nas escolas.
“É necessário evitar a burocracia e outros empecilhos que constituem ameaças e enfraquecem a actividade de supervisão pedagógica no país e na província em particular”, refere o comunicado lido pela professora Olga Mutango. O inspector-chefe da direcção provincial da Educação, Bernardo Tchipikita, disse, na sessão de encerramento, que a supervisão pedagógica permite a partilha de experiências, democraticidade, investigação, a­pren­dizagem, aceitação da mudança e melhoria na prática docente. O coordenador provincial da supervisão pedagógica, Benício Puna, disse que a figura de supervisor surgiu há dois anos, para ajudar os professores a desenvolverem um ambiente que faculte a aprendizagem e desenvolva as competências dos alunos.

Formação de professores

As formações dos supervisores e professores, garantiu, vão continuar, para apetrechar os agentes de ensino de todos os municípios, tendo em vista a melhoria constante da qualidade de ensino na Huíla, onde os resultados começam a surgir. O coordenador disse que os supervisores actuam em 130 Zonas de Influência Pedagógica (ZIP) existentes na província, para facilitar a abordagem dos aspectos difíceis. Cada ZIP é constituída por duas ou dez áreas, para reuniões de concertação e planificação, e para a uniformização do programa definido pelo Ministério da Educação.
O responsável considerou insuficiente o número de supervisores pedagógicos, tendo em conta a procura do sector, e defendeu o reforço das competências dos supervisores credenciados para cumprirem com rigor as tare fas que lhes foram incumbidas.
Os participantes no seminário abordaram temas como a “Análise dos programas/manuais de estudos do ensino primário, na perspectiva da pedagogia de integração, “Elaboração de competências de base à luz da pedagogia de integração”.
Os supervisores actualizaram também conhecimentos relacionados com a abordagem por competências nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, Geografia, Historia e Ciências da Natureza, além de planificação e observação de funções da supervisão pedagógica.
Os formandos concluíram que orientar os professores a ensinar deve ser o objectivo principal de toda a supervisão pedagógica, sempre numa perspectiva de desenvolvimento integral do ambiente de aprendizagem.

Tempo

Multimédia