Províncias

Fontenários nas zonas rurais dão mais água à população

Domingos Mucuta | Lubango

A abertura de mais furos e fontenários nas comunidades urbanas e rurais da província da Huíla é uma das apostas do governo local para aumentar o abastecimento de água potável à população.

Isaac dos Anjos considerou insuficiente o número de furos e fontenários existentes
Fotografia: Arimateia Baptista | Huíla

A abertura de mais furos e fontenários nas comunidades urbanas e rurais da província da Huíla é uma das apostas do governo local para aumentar o abastecimento de água potável à população.
O governador provincial, Isaac Maria dos Anjos, teceu tais considerações em conferência de imprensa ontem, no Lubango, onde balanceou o programa “Água para Todos”.
Isaac dos Anjos referiu que o governo da Huíla abriu, nos últimos tempos, 966 furos e fontenários de água potável em toda a extensão da província, mas considerou que o número ainda é insuficiente, numa altura em que os estudos revelam um défice de 2043 furos para abastecer os três milhões de habitantes.
“O custo médio estimado de abertura de cada furo varia de 15 a 20.­­000 dólares, dependendo da pro­fundidade. Estes dados vão permitir inferir quanto ainda nos falta percorrer”, sublinhou o governador.
Isaac dos Anjos acrescentou que a melhoria de abastecimento de água à cidade do Lubango, que conta hoje com 1,5 milhões de habitantes, passa pela substituição da tubagem de fibrocimento, que já leva mais de 40 anos, por tubos PVC e PAD.
O responsável disse que o governo executa também o projecto de melhoria das estações de captação e tratamento de água natural na Tundavala, Senhora do Monte e Humpata, onde começam as obras de reabilitação das condutas.
Isaac dos Anjos acrescentou que a melhoria dos sistemas de canalização decorre faseadamente, tendo assegurado que brevemente vai começar a substituição da tubagem de distribuição de água na cidade.
O governador provincial nota que alguns dos sistemas de abastecimentos de água potável, construídos pelo governo, na periferia da cidade do Lubango, incluem a utilização painéis solares.
O programa “Água para Todos” vai incluir a abertura de mais furos de água nos bairros periféricos para diminuir o transporte por cisterna.
“Não temos pressa, mas sim necessidades, que determinam o ritmo e a velocidade com que temos de andar.”

Défice do Lubango

Com a sua reabilitação e extensão, o sistema de captação e distribuição da cidade vai passar de 1.000 para 10.000 metros cúbicos de água abastecida à cidade do Lubango, segundo estimativas da direcção da Energia e Água na Huíla.
O projecto de reabilitação do sistema de abastecimento de água da cidade conta com a intervenção da empresa alemã Gauff e tem um investimento de 90 milhões de euros, aprovado pelo Conselho de Ministros em Janeiro.
A empresa alemã está também a partilhar a experiência acumulada no período pós-guerra na recuperação de infra-estruturas para ajudar o governo da Huíla a melhorar a prestação de serviços sociais básicos, sobretudo, o abastecimento de água potável.
Dos 1.000 metros cúbicos produ­zidos actualmente pelas estações de captação de água do Lubango, cerca de 75 por cento são desperdiçados, devido ao mau estado das condutas.
O director da Energia e Água, A­bel da Costa, acredita que a conclusão das obras, iniciadas em Março, vai materializar o sonho de milhares de habitantes da cidade.
A reabilitação tem como alvo principal as três estações de captação do Lubango, ampliação da rede de distribuição, através de substituição das condutas e realizar um estudo para a melhoria do sistema de águas residuais.

Tempo

Multimédia