Províncias

Furos de água abastecem o Lubango

Arão Martins | Lubango

Mais cinco novos furos de água vão ser abertos brevemente nas áreas do Monte da Chela, assim como o caminho para as aldeias SOS e o município da Humpata, com o financiamento do Banco Mundial.

Vários sistemas de captação e tratamento estão a ser reabilitados e construídos na província para melhorar o abastecimento de água
Fotografia: Arão Martins| Lubango


O Governo Provincial da Huíla lançou na segunda-feira um concurso público, com a participação de dez empresas, para a empreitada, que vai minimizar a escassez de água em diferentes bairros do Lubango, agravada pela seca que a­fecta actualmente toda a região sul de Angola.
O director de Energia e Águas na Huíla, Abel Costa, disse que o Governo privilegiou a abertura de mais furos nas localidades, com uma profundidade aceitável, para contrapor o défice que se regista nas nascentes da Tundavala e da Nossa Senhora do Monte. “A abertura dos furos aumenta, naturalmente, a capacidade de abastecimento de água, a partir das principais captações da cidade do Lubango”, acentuou.
Com a disponibilidade de verbas para a criação de mais centros de captação, tratamento e distribuição de água potável aos habitantes dos meios rural e urbano melhora-se a qualidade de vida das populações, realçou Abel Costa. Para aumentar a cobertura, além do programa “Água para todos”, decorrem acções no âmbito do Programa de Investimentos Públicos. O “Água para Todos” tem disponíveis 300 milhões de kwanzas destinados a projectos de abastecimento de água aos municípios e, só para as áreas de Quilêngues, Chipindo, Chibia, Matala, Caconda, Caluquembe e Gambos, vão ser destinados 40 milhões.Até ao início de 2011, a a Huíla tinha uma taxa de cobertura no fornecimento de água na ordem dos 30 por cento, mas, até Fevereiro deste ano, a percentagem subiu para 62 por cento. O consultor do Banco Mundial junto da Direcção Nacional das Águas, Luís Ferreira, explicou ser objectivo das autoridades aumentar os furos capazes de fornecer mais de 200 metros cúbicos de água por hora e acrescentou que a empreitada fica concluída em 2014. Os furos vão ter uma profundidade entre 100 e 180 metros e o financiamento abrange o equipamento dos furos, tubagem, construção de casotas para os mesmos, captações e reservatórios definidos. Sem avançar o montante, Luís Ferreira disse que a abertura dos furos resulta de 11 estudos  realizados junto à captação de água situada no monte da Serra da Chela.

Tempo

Multimédia