Províncias

Gestão de hospitais em análise na região

Domingos Mucuta | Lubango

A vice-governadora da Huíla para o sector político e social, Maria João Chipalavela, defendeu na terça-feira, no Lubango, uma gestão estratégica das unidades hospitalares e instituições de saúde, para melhorar a qualidade dos serviços prestados às populações.

Fotografia: JAIMAGEM

Durante a abertura de uma acção de formação sobre gestão de saúde para responsáveis das unidades sanitárias da Huíla, Namibe, Kuando-Kubango, Cunene e Uíge, Maria Tchipalavela considerou a gestão estratégica como um processo fundamental para a planificação, nos diferentes sectores da vida política, económica e social.
“A planificação estratégica, as políticas de retenção de quadros, a motivação de recursos humanos, métodos e procedimentos de monitorização e avaliação garantem a continuidade das instituições e a qualidade de serviços prestados”, sublinhou, acrescentando que uma gestão moderna exige mudança de pensamento e um alto nível de participação das pessoas, para a melhoria do desempenho e a obtenção de bons resultados.

Serviços de qualidade


Segundo Maria João Chipalavela, uma instituição hábil e estrategicamente gerida é capaz de se adaptar às circunstâncias, para responder às necessidades dos cidadãos que procuram os serviços de saúde.
“O planeamento estratégico exige a capacidade e visão de curto, médio e longos prazos sobre a realidade, compreendendo os pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades”, referiu a vice-governadora da Huíla.

Tempo

Multimédia