Províncias

Governo garante mais apoio à agricultura familiar na Huíla

Arão Martins | Huíla

O governador provincial da Huíla, Luís Nunes, garantiu que vai dar prioridade aos programas que visam impulsionar a agricultura familiar nos municípios de Chipindo, Cuvango, Jamba, Matala e Quipungo.

Camponeses dos municípios de Chipindo, Cuvango, Jamba, Matala e Quipungo receberam do governador meios de trabalho
Fotografia: Arão Martins | Edições Novembro

Luís Nunes, que falava à imprensa no término da primeira etapa de visitas às  co-munas dos referidos  municípios, disse que a “agricultura familiar é um importante pilar para a economia da província”, pelo que os incentivos devem ser permanentes, no quadro do Programa de Combate à Fome e à Pobreza.
O governador garantiu que  o seu elenco vai continuar a apoiar as famílias camponesas, para que a produção agrícola na província atinja níveis mais altos e seja diversificada.
“Vamos intensificar os apoios à agricultura familiar com vista a erradicação da fome e da pobreza”, assegurou Luís Nunes, que na oportunidade entregou charruas, enxadas, sementes de milho e fertilizantes aos camponeses locais. 
Luís Nunes assegurou ainda às administrações das localidades que visitou  que brevemente vão ser incrementados os apoios aos sectores da Educação, Saúde, Energia e Águas, Agricultura e Comunicações. 
“A província da Huíla é por excelência agro-pecuária e, com mais apoios aos camponeses, a produção terá índices altos”, disse o governador, para acrescentar: “Além do ferro, ouro e outros minerais existentes na Jamba, a localidade tem água e vastas terras aráveis. Por isso, aproveitando estas potencialidades, podemos dar alento ao processo de crescimento da província”.
O governador da Huíla frisou que os municípios de Caconda, Chicomba e Caluquembe vão receber apoio especial, para a intensificação da cultura do milho, por serem zonas  potencialmente aráveis para a produção deste produto.
“A nossa província é agro-pecuária por excelência e temos a obrigação de promover e incentivar as famílias camponesas a produzirem mais”, disse Luís Nunes.

Tempo

Multimédia