Províncias

Hospital Regional do Cuvango fica pronto em Março

Arão Martins | Cuvango

As obras para a construção de um hospital regional em curso na sede municipal do Cuvango, 350 quilómetros a leste do Lubango, iniciadas em Junho do ano passado, terminam em Março, garantiu quinta-feira o director provincial da Saúde na Huíla.

As obras que decorrem a bom ritmo foram visitadas na semana finda pelo vice-governador para a Área Técnica e Infra-estruturas
Fotografia: Arão Martins|

As obras para a construção de um hospital regional em curso na sede municipal do Cuvango, 350 quilómetros a leste do Lubango, iniciadas em Junho do ano passado, terminam em Março, garantiu quinta-feira o director provincial da Saúde na Huíla.
Bernabé Lemos, que falava à margem da visita do vice-governador provincial da Huíla para a área Técnica e Infra-estruturas, Nuno Ndala, às obras de construção do referido hospital, assegurou que os trabalhos da primeira fase estão quase concluídos.
O responsável adiantou que o hospital, com capacidade de internar mais de 100 doentes, atende as populações que vivem nos municípios do Cuvango, Chipindo e Jamba, pertencentes à região leste da província da Huíla. Pode ainda tratar os doentes oriundos do município do Cutato, na província do Kuando-Kubango.
As obras de construção do Hospital Regional do Cuvango são um projecto da responsabilidade do governo provincial da Huíla, que está a ser executado com fundos do Programa de Investimentos Públicos (PIM), no quadro do programa de expansão dos serviços de saúde.
O hospital ocupa uma área de 1.450 metros quadrados. Bernabé Lemos assegurou que o hospital começa a funcionar ainda este ano e dispõe de serviços de medicina, cirurgia, pediatria, ginecologia e de Raio X. O equipamento também está assegurado, em função das especificidades dos serviços a serem implantados no hospital.
O responsável acrescentou que a região leste foi sempre a menos contemplada com novas infra-estruturas de saúde, devido ao conflito armado e que o governo provincial tudo está a fazer para que as necessidades nesta área sejam colmatadas. “O hospital está a ser construído e de forma paulatina, vamos contemplando aquilo que vier a faltar. Mas os serviços essenciais de medicina, cirurgia, pediatria, Raio X e de diagnósticos estão já garantidos. Temos um hospital de facto nessa região, porque essa população merece”, referiu.
A construção do hospital está a cargo da empresa de construção civil Tuamutunga. Para o sucesso dos trabalhos, o governo provincial da Huíla está a empregar 55,566 milhões de kwanzas, para a primeira fase da estrutura hospitalar, que atende milhares de populares.
Bernabé Lemos reafirmou que os trabalhos de construção do hospital estão divididos em duas fases. A primeira compreende a edificação da estrutura e a segunda a criação de outros serviços, como morgue, parque de estacionamento, arruamento e jardim.
O director provincial da Saúde disse que a primeira fase está quase concluída, com a colocação do tecto, pintura, colocação de portas e reparação da tubagem, esta última feita em directo, a partir da nova captação de água.
Bernabé Lemos adiantou que para garantir o funcionamento da unidade hospitalar, são colocados dez médicos de diferentes especialidades. Referiu que as autoridades já aprovaram o quadro analítico do pessoal que vai funcionar, em função das camas a serem instaladas.
O director provincial da Saúde precisou que os quadros, quer técnicos de enfermagem como administrativos, são admitidos através de concurso público.
O responsável disse ainda que a província da Huíla tem muitas unidades sanitárias a inaugurar e outras já inauguradas, o que assegura uma assistência cada vez melhor, para o bem das populações.
O administrador municipal do Cuvango, Miguel Luís, reconheceu que a entrada em funcionamento do hospital regional permite que a população circundante tenha melhor assistência médica.
“A construção do Hospital Regional  permite que os doentes desta região deixem de se deslocar ao Lubango por causa de enfermidades complexas, já que estão disponíveis serviços indispensáveis, em função da realidade da região”, adiantou. No  Cuvango, apesar de estarem em funcionamento um hospital municipal e postos de saúde, há falta de muitos serviços, que só encontram solução nos municípios da Matala e Lubango.

Tempo

Multimédia