Províncias

Huíla aposta num sistema de ensino mais abrangente

João Luhaco | Lubango

O fórum  da Educação da província da Huíla concluiu, na sexta-feira, na cidade do Lubango, a necessidade de se apostar num sistema de ensino abrangente e promotora de emancipação dos cidadãos, no quadro do respeito pelos valores da dignidade, liberdade e da coesão social.

O Ministério da Educação incentiva e vai continuar a dar sempre todo apoio institucional para iniciativas do género
Fotografia: Arimateia Baptista|Edições Novembro|Huíla

O certame, que decorreu sob o lema “O perfil da educação da Huíla, alinhado com o Plano Nacional de Desenvolvimento da Educação - educar Angola 2030”, juntou gestores escolares e  serviu para uma profunda reflexão sobre o sector.
Os participantes do fórum definiram a estratégia que permite a qualificação de actualização dos professores, educadores e gestores escolares no exercício das suas actividades, e da partilha de experiências.
Também ficou assente a necessidade do debate técnico científico, a promoção da produção de recursos didácticos, a partir de contextos históricos e culturais locais. Os participantes no encontro defenderam que a educação deve reger-se pelos valores, hábitos e costumes que definem a nossa cidadania e identidade.
A nível da província da Huíla, os gestores escolares tomaram conhecimentos dos indicadores fornecidos pelo serviço provincial do Instituto Nacional de Estatística, que permitiram elaborar diversas políticas educativas, bem como fazer o acompanhamento racional de todas as actividades relativas à educação.
Os responsáveis da Educação concluíram que a maior parte das escolas, mesmo não sendo de carácter especial, passaram a integrar alunos com necessidades educativas especiais e que a gravidez precoce continua a constituir uma das causas do abandono escolar.
Quanto à formação, os participante do fórum defenderam ser importante a criação de uma estratégia de modo a capacitar os professores, reconhendo que a educação pré escolar constitui um desafio e alicerce para a sustentabilidade do projecto educativo.
A Secretária de Estado da Educação para o Ensino e Acção Social, Ana Paula Inês Ndala, instou os chefes, professores e gestores escolares do subsistema do ensino geral a continuarem a investigar, levantar questões e encontrar soluções pertinentes que possam tornar o sistema de ensino mais coerente e eficaz.
A governante, que falava no acto de encerramento do fórum provincial da Educação, considerou o certame como um espaço privilegiado para debates, partilha de ideias e experiências práticas e cientificas para que a educação atinja os resultados desejados.
Segundo a governante,  muitas reformas no sector da Educação têm falhado justamente porque não tocam na unidade básica da escola, que são as salas de aula e as práticas que aí são realizadas, sublinhando que o evento veio ultrapassar esta lacuna.
Com base nisso, felicitou a organização do evento por ter concebido um programa onde se encontram incorporadas as componentes teóricas com a realização de conferências práticas, com oficinas metodológicas agrupando, deste modo, professores e outros especialistas convidados para a discussão dos problemas identificados no exercício da actividade docente.
“O Ministério da Educação incentiva e dará sempre todo o apoio institucional para iniciativas do género. Por isso, devemos continuar a aprofundar as discussões sobre os nossos problemas ligados ao ensino e aprendizagem dos alunos para, de forma colegial, buscar soluções ajustadas à realidade das nossas comunidades.
A Secretaria de Estado, Ana Paula Inés, considerou a educação como não sendo uma obra que se realiza individualmente, mas sim uma acção comunitária e da nação que exige grande nível de organização e responsabilidade de todos.
Paula Inês Ndala reconheceu o grande salto que o país deu nos últimos anos, com a construção de salas de aula que permitiram às crianças, jovens, adolescentes e adultos terem acesso ao sistema de ensino.
“Apesar disso, temos algumas crianças fora do sistema normal do ensino. Por isso, todo o esforço deve ser feito no sentido de paulatinamente reduzirmos este número. São desafios que estão na nossa agenda educativa para os próximos anos”, garantiu a Secretária de Estado da Educação para o Ensino e Acção Social.

 

  Região com mais docentes

 

O sistema  de ensino na província da Huíla foi reforçado em Abril último com o aumento de mais 23 novos professores, admitidos no concurso público realizado em 2016 pelo sector da Educação. 
O novos professores receberam as suas guias de colocação para leccionarem nas comunas do Micosse, Capelongo, Mulondo e sede municipal da Matala, província da Huíla.
O enquadramento dos novos quadros vai ajudar a reduzir o problema da carência de professores na região e contribuir ainda para a melhoria da qualidade do processo de ensino e aprendizagem, principalmente nas zonas mais recônditas.

Tempo

Multimédia