Províncias

Huíla cria condições para o aumento da produção

André Amaro| Matala

Agricultores que trabalham ao longo do perímetro irrigado da Matala tencionam cultivar na segunda época da campanha 200 hectares e colherem quatro mil toneladas de batata rena, anunciou o presidente da cooperativa 1º de Maio.

Camponeses ao longo do perímetro irrigado da Matala querem aumentar a produção porque têm garantias do escoamento dos bens
Fotografia: Arimateia Baptista| Matala

As batatas destinam-se a abastecer os mercados das províncias da Huíla, Namibe, Kuando-Kuando, Benguela e Luanda, disse Victor Fernandes, que falava à margem da visita que o governador João Marcelino Tyipinge fez ao perímetro irrigado da Matala.
O presidente da cooperativa afirmou que estão a ser preparadas as terras para a segunda época da campanha agrícola do ano, que vai de Maio a Outubro, e que o objectivo é colher vinte toneladas de batata rena por hectare.
Além da bata rena, referiu, neste segunda época agrícola vamos produzir em quantidades significativas cebola, alho, repolho, couve e tomate, que não é possível conservar nas câmaras de frio.
Victor Fernandes declarou que “o problema de comercialização da batata está minimizado com a entrada em funcionamento na comuna de Capelongo das câmaras de frio e de conservação, com capacidade para 1.800 quilos, e dos silos, capazes de armazenar 12 mil toneladas de cereais”.
O presidente da cooperativa disse que “há algumas sementes de bata rena nas câmaras de frio que aguardam por outra parte importada para as quantidades preconizadas serem alcançadas”.
O Governo Provincial da Huíla apoiou a cooperativa com quatro máquinas e respectivas alfaias, que vão contribuir para o aumento da produção.

Novas tecnologias

Agricultores da Cooperativa 1º de Maio, no município da Humpata, apostam nas novas técnicas de irrigação para garantirem a produção agrícola durante todo o ano sem dependerem das chuvas.
O presidente daquela cooperativa afirmou que a maioria dos associados opera com sistemas de irrigação por aspersão, que são mais eficazes e economizam água.
Outros agricultores, disse, usam o sistema por gravidade e pivots de irrigação, com recurso à água do canal, o que permite cultivar todo o ano sem interrupções.

Escoamento


O escoamento dos bens produzidos no perímetro irrigado da Matala, declarou Victor Fernandes, está facilitado com a reabilitação das estradas intermunicipais e a entrada em circulação dos comboios dos Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes. Além disso, referiu, com a instalação no município da Matala das câmaras de frio e dos silos, os agricultores e camponeses já podem conservar os produtos para os vender no momento propício. Victor Fernandes também disse que se aguarda com expectativa o início do funcionamento da fábrica de concentrado de tomate que está a ser instalada na comuna de Capelongo, que vai absorver toda a produção dos camponeses.
A ministra do Comércio prometeu numa visita recente aos agricultores e camponeses do perímetro irrigado da Matala a instalação de armazéns para a comercialização da produção passar a ser feita com normalidade.
Quando isso acontecer, salientou Victor Fernandes, o problema da comercialização está resolvido e os camponeses podem aumentar a produção por saberem que as vendas estão garantidas.

Tempo

Multimédia