Províncias

Huíla estuda uso de plantas locais

Uma pesquisa de desenvolvimento de um estudo etnoveterinário sobre uso de plantas locais para fins veterinários foi lançada quinta-feira, na cidade do Lubango, província da Huíla, pelos Serviços Veterinários e o Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED).

Financiado pelo Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o programa está enquadrado no Projecto Integrado de Resiliência Angola-Namíbia (PIRAN) e de Reabilitação de Terras das Áreas de Pastagem nos Sistemas Agropastoris (RETESA).
A pesquisa vai se basear em informações levantadas no terreno, através de inquéritos específicos e nas amostras das plantas mencionadas durante o processo desenvolvido por estudantes e docentes do ISCED, assim como por técnicos dos Serviços de Veterinária da Huíla.
No lançamento da pesquisa, o representante do FAO na região sul, Matteo Tonini, disse que as informações etnoveterinárias e as amostras das plantas vão ser levantadas por veterinários municipais e entregues ao herbário do ISCED/Huíla.
O ISCED, explicou, vai criar uma base de dados para identificar os nomes das amostras das plantas e verificar as informações etnoveterinárias levantadas com a bibliografia científica existente.
Matteo Tonini referiu que a pesquisa faz parte do programa de apoio ao sector veterinário promovido pelo FAO, ao mesmo tempo que representa um importante esforço em termos de conservação da biodiversidade.
Matteo Tonini finformou que a pesquisa abrange 15 municípios das províncias da Huíla, Namibe, Cunene e de Benguela.
O director do ISCED-Huíla, José Alexandre, reconheceu que a pesquisa representa uma mais-valia para a instituição.

Tempo

Multimédia