Províncias

Huíla melhora condições de assistência

Arão Martins| Lubango

A cobertura sanitária da província da Huíla registou, nos últimos quatro anos, melhorias com a execução de 101 projectos, no quadro dos programas de Investimentos Públicos e de Combate à Pobreza.

Modernização do Hospital Central do Lubango aumentou o atendimento de pacientes e ajudou a baixar os índices de mortalidade
Fotografia: Arão Martins|Lubango

A cobertura sanitária da província da Huíla registou, nos últimos quatro anos, melhorias com a execução de 101 projectos, no quadro dos programas de Investimentos Públicos e de Combate à Pobreza.
 O vice-governador provincial da Huíla, José Nataniel, que prestou a informação, disse que, até 2012, o governo local investiu na execução dos projectos mais de dez mil milhões de kwanzas.
 Os investimentos, acrescentou, permitiram aumentar o número de hospitais, centros e postos de saúde. O governante disse que, em 2008, a província da Huíla dispunha de 1.338 camas hospitalares, mas agora possui 1.564.
 José Nataniel referiu que o número de hospitais aumentou de sete para 12, enquanto os postos de saúde passaram de 156 para 242, fruto da construção de 86 unidades sanitárias em várias localidades.
 Até 2008, a província da Huíla dispunha apenas de 31 centros de saúde. No ano passado, o número foi acrescido para 39.
A cobertura sanitária dá prioridade às áreas rurais e suburbanas, como forma de ultrapassar as desigualdades sociais que ainda se verificam, segundo o governante. José Nataniel explicou que a execução dos projectos permitiu abrir igualmente novos hospitais nos municípios de Quilengues, Caconda, Cuvango e Chipindo. O vice-governador da Huíla para o sector político e social referiu que os hospitais atendem pacientes das respectivas regiões, assim como de outros municípios.  Os investimentos no sector da saúde permitiram também reduzir a mortalidade infantil de 701casos, em 2008, para 600, em 2011. O número de nados mortos também reduziu substancialmente, de 956, em 2008, para 142, em 2011.
José Nataniel disse que a implantação dos serviços sanitários em todas as localidades permitiu também baixar os casos de malária de 435.410, em 2008, para 260.644, em 2011. O número de óbitos causados por malária baixou de 928 para 589, em 2011, na província da Huíla.  Com a abertura de novas de unidades sanitárias aumentou a admissão de trabalhadores de nível básico, médio e superior.
As campanhas de vacinação também evoluíram na província, o que faz com que a prevenção de doenças seja mais eficaz.

Tempo

Multimédia