Províncias

Huíla tem centro de recursos do ensino especial

Domingos Mucuta | Mapunda

A actual escola do ensino especial da Mapunda, arredores do Lubango, vai ser transformada num centro de recursos, para apoiar a formação de professores e o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais, anunciou terça-feira a vice-governadora da Huíla para o Sector Político e Social.

Quase todas as escolas da província da Huíla inseriram no prresente ano lectivo crianças com deficiências auditiva e motora
Fotografia: Arimateia Baptista | Mapunda

Maria João Chipalavela, que falava durante a visita do governador da Huíla, João Marcelino Tyipingue, aos empreendimentos sociais naquela parcela, explicou que o projecto vai ser materializado, nos próximos tempos, numa parceria entre o Governo Provincial e a Fundação Lwini.
A vice-governadora salientou que a ideia é criar um centro que permita a formação de docentes com capacidade de assegurar o processo de transmissão de conhecimentos às crianças com necessidades educativas especiais em qualquer unidade de ensino, no quadro da educação inclusiva.
O director da escola da Mapunda, Vicente Camassuno, louvou a iniciativa de catapultar a instituição para o nível de centro de recursos, o que vai contribuir para a preparação do corpo docente da província da Huíla, redução da distância existente entre a escola e as crianças e a promoção da inclusão educativa. Vicente Camassuno manifestou satisfação pela expansão do ensino especial em toda a província da Huíla, numa altura em que quase todas as escolas da região, este ano, inseriram um universo de quatro mil alunos com deficiências auditiva e motora.
No quadro do processo de inclusão, assegurou que os docentes das escolas com preparação para o efeito vão frequentemente aos municípios ministrar seminários de refrescamento sobre metodologias do ensino especial.
Vicente Camassuno acrescentou que a unidade de ensino precisa também de instalar salas com condições de atendimento educacional à altura, como máquinas de Braille, indução em arco, pautas e computadores com sistema adaptado às deficiências das crianças e a ampliação do empreendimento.
O director sublinhou o apoio material e moral da Fundação Lwini, mas a escola ainda precisa de instalar cabines, salas e kits de formação profissional e de audiometrista, bem como dispor de uma equipa multidisciplinar para melhorar as deficiências motoras e auditivas.
A escola do ensino especial da Mapunda matriculou, neste ano, 1.097 alunos da iniciação ao ensino secundário, cujo processo de ensino é garantido por 93 professores.  Neste momento, a instituição monitora aulas para quatro mil alunos com necessidades especiais inseridos nas diversas escolas da província.
Além da escola de ensino especial, a jornada de campo do governador da província da Huíla, João Marcelino Tyipingue, contemplou ainda visitas às obras de reabilitação da direcção provincial da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, ao centro de tratamento de cólera, hospital sanatório, psiquiatria e escolas primárias e secundárias da região.

Tempo

Multimédia