Províncias

Idosos na Huíla melhor protegidos

Arão Martins | Lubango

A qualidade de vida dos idosos na província da Huíla conheceu uma melhoria considerável, nos últimos tempos, com a implementação de mecanismos de protecção  e assistência ao domicílio, disse ontem no Lubango a directora provincial da Assistência e Reinserção Social.

Dezenas de idosos na Huíla são vulneráveis e residem num lar da terceira idade
Fotografia: Arão Martins | lubango

Amélia Casimiro disse que o Ministério de Assistência e Reinserção Social controla, a nível da província da Huíla, 21.200 idosos de ambos os sexos, dos quais 46 são vulneráveis e residem num lar da terceira idade, enquanto 437 são assistidos na comunidade.
Amélia Casimiro esclareceu que a promoção de serviços ao domicílio tem como objectivo melhorar a participação das famílias na satisfação das necessidades dos idosos, bem como na busca de soluções para os problemas que estes enfrentam no dia-a-dia.
Sobre a terapia ocupacional, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social referiu que os idosos institucionalizados têm actividades artesanais, como educação física, alfabetização, costura e tricotagem, agricultura, em conformidade com a idade.
Amélia Casimiro informou que a direcção provincial está  a desenvolver o programa de apoio às instituições de acolhimento de crianças e pessoas idosas, sob controlo do Estado, tendo acrescentado que o programa visa permitir uma vida saudável, através da distribuição de bens alimentares e outros apoios indispensáveis.
A directora provincial da Assistência e Reinserção Social realçou a implementação do programa de trabalho e geração de renda, que consiste na criação de oportunidades para a inclusão social de 402 pessoas carenciadas em situação de vulnerabilidade, reduzindo, desta forma, as suas carências e facilitar a autonomia e integração social.
Outra medida tendente à melhoria do idoso tem a ver com a criação de cooperativas, em obediência aos critérios do mecanismo da operacionalização do programa de geração de trabalho e renda, que partem da identificação dos beneficiários, sua selecção, inscrição, cadastramento e triagem das aptidões dos beneficiários.
Adirectora provincial da Assistência e Reinserção Social informou que, para tornar exequível os programas das cooperativas, a direcção tem realizado acções de tratamento que visam potenciar os beneficiários com conhecimentos sobre a gestão de pequenos negócios, vantagens do trabalho em grupos solidários.
Temas relacionados com a poupança, civismo na prestação de serviços, logística e utilização de recursos, são divulgados a fim de contribuir para a mudança dos patamares de qualidade de vida dos beneficiários e das famílias. O projecto de inserção e formação académica é um subprograma de formação profissional que tem como função a integração escolar.
Amélia Casimiro referiu que o programa está a ser visto no contexto de um processo ao longo prazo, onde tem se inserido pessoas com deficiências e seus filhos, em estruturas formais e informais.
A directora provincial da Assistência e Reinserção Social disse que o programa foca  a sobrevivência e desenvolvimento da aprendizagem, que começa na infância e continua ao longo da vida.

Instalado aparelho 

Um sistema de registo da quantidade e intensidade das quedas fluviométricas foi instalado no início deste ano no município dos Gambos, na província da Huíla, revelou ontem, ao Jornal de Angola, o director da Agricultura, Lutero Campos. Lutero Campos explicou que a instalação do aparelho permite às autoridades ter uma percepção exacta da regularidade ou irregularidade das chuvas que caiem na região. “O município dos Gambos tem registado seca cíclica e, por isso, para  melhor compreensão da quantidade de chuva que cai ao longo de um determinado período foi instalado esse aparelho, que permite fornecer os dados reais das chuvas”, sublinhou.
Lutero Campos informou que no quadro do programa de assistência técnica, responsáveis do departamento da Estação de Desenvolvimento Agrário deslocaram-se à localidade da Taka para criar uma associação de famílias camponeses, bem como à margem do rio Caculuvar, que regista uma acentuada falta de água.  Aos técnicos da EDA os camponeses pediram apoio para a criação de um açude para a contenção das águas e facilitar o processo de irrigação.
Alguns agricultores das margens do rio Caculuvar foram distribuídos motobombas para incentivar a produção de hortícolas e a multiplicação da cultura da mandioca, disse Lutero Campos. Além do acompanhamento técnico, a Estação de Desenvolvimento Agrário desenvolveu, igualmente nos Gambos, acções ligadas à plantação do tomate, na associação de camponeses da Tunda I, distribuição, a 175 camponeses associados da localidade do Munailongo e do Rio de Areia.

Tempo

Multimédia