Províncias

Inauguradas novas estações no Lubango

Estanislau Costa e Arão Martins | Lubango

O ministro dos Transportes, Augusto Tomás, inaugurou na quinta-feira a estação central do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, situada na cidade do Lubango, na presença do governador provincial, Isaac Maria dos Anjos.

Concretizado o sonho de muitos angolanos
Fotografia: Arimateia Baptista

O ministro dos Transportes, Augusto Tomás, inaugurou na quinta-feira a estação central do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, situada na cidade do Lubango, na presença do governador provincial, Isaac Maria dos Anjos.
A nova estação, construída no quadro do programa de reabilitação e modernização do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, foi construída numa área de três mil metros quadrados.
Isaac dos Anjos agradeceu em nome da população das províncias do Namibe, Huíla e Kuando-Kubango pela obra que considerou magnífica.
“A nova estação vai permitir assistir de forma modernizada as populações. Por isso, queremos em nome do povo da Huíla e de forma geral da região que compreende as províncias da Huíla, Namibe e Kuando-Kubango, agradecer ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos, e ao Executivo por se ter concluído a obra implantada na cidade do Lubango, província da Huíla, que vai albergar a direcção do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes”, disse.
A nova estação especial foi construída ao lado da antiga, que vai albergar os serviços técnicos e controlo de toda a linha, que marca assim uma nova era de desenvolvimento e prosperidade para Angola.
O governador reiterou à população o desejo de uma boa utilização, desde os equipamentos às infra-estruturas, pois, referiu, o comboio, que chega dentro de dias à província do Kuando-Kubango, traz desenvolvimento para todos.
O ministro Augusto Tomás disse que a inauguração da nova estação especial é histórica para o Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, que liga as províncias do Namibe, Huíla e Kuando-Kubango.
O dia foi de festa e especial, porque, referiu o ministro, assiste-se à realização dos sonhos de milhares de cidadãos angolanos que vêem no comboio a solução de um conjunto de problemas, desde a criação de emprego, fomento da produção e distribuição dos bens da cidade para o campo e vice-versa.
“O Caminho-de-Ferro de Moçâmedes é um empreendimento enquadrado na estratégia do programa gizado pelo Executivo liderado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos”, disse.
O comboio, considerado como da vitória, da paz, da reconstrução nacional, da coesão, do perdão, sobretudo como símbolo da nova fase, que é a da paz, vai gerar emprego e distribuir melhor, como forma evidente de combater a pobreza.
“Este comboio traz um sopro da vida, o relançamento desta região sul do país, por ser uma obra de grande envergadura, pois além das 56 estações e mais 185 unidades entre locomotivas, carruagens, vagões e cisternas de combustível adquiridos, vai permitir o transporte de um conjunto de equipamentos e meios para relançar a agricultura, o comércio, a indústria dos minerais, entre outros, devido à sua conexão com o porto do Lobito”, disse.
Augusto Tomás acrescentou que o comboio do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes representa a vitória da reconstrução nacional, do amor pelo ser humano, o perdão sobre a vingança. Representa ainda a gratidão sobre a ingratidão.
O ministro dos Transportes pediu à população para estar vigilante na manutenção e conservação deste bem público.

Tempo

Multimédia