Províncias

Insectos devastam culturas

O município de Quipungo, a 120 quilómetros da cidade do Lubango, província da Huíla, está a ser confrontado com uma praga de insectos que já destruíram seis hectares de culturas de cereais, revelou ontem o chefe da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA), João Canonguembia.

O município de Quipungo, a 120 quilómetros da cidade do Lubango, província da Huíla, está a ser confrontado com uma praga de insectos que já destruíram seis hectares de culturas de cereais, revelou ontem o chefe da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA), João Canonguembia.
Em declarações à Angop, João Canonguembia disse tratar-se de lagartas e insectos que têm estado a devastar as culturas, principalmente de milho, e que deixam preocupadas as associações de camponeses e as autoridades do sector.
Adiantou que a direcção da EDA criou já uma comissão para avaliar a situação e as áreas onde os insectos estão a atacar, no sentido de se encontrar mecanismos para combater a praga, enquanto está no início. “Fomos informados sábado pelos camponeses de Capato que a praga, com características da lagarta militar, está a devastar campos com maior realce nas culturas de milho, onde os agricultores estão a utilizar insecticidas para travar a progressão”, realçou.
A camponesa Joaquina Cambinja disse estar muito preocupada com a praga, pois conseguiu devastar a maior parte da sua cultura de milho, temendo assim a fome para os próximos meses.
“Se continuar dentro de cinco dias o município vai viver uma carência de alimentos, sobretudo de milho, que constitui a base da cesta básica e que está a ser preferido pela larva. Pedimos que o governo da província da Huíla comece já a agir enquanto é cedo, para que os prejuízos não sejam maiores”, informou a camponesa.

Tempo

Multimédia