Províncias

Instituto Nacional da Criança incentiva plantação de árvores

André Amaro | Lubango

O Instituto Nacional da Criança (INAC) na província da Huíla está a incentivar a cultura da preservação do meio ambiente por parte dos alunos do ensino primário e secundário, através da plantação de árvores e criação de espaços verdes nas escolas.

A plantação de árvores e a criação de jardins constitui um desafio para as autoridades
Fotografia: Arimateia Baptista

O Instituto Nacional da Criança (INAC) na província da Huíla está a incentivar a cultura da preservação do meio ambiente por parte dos alunos do ensino primário e secundário, através da plantação de árvores e criação de espaços verdes nas escolas.
A primeira campanha nesse sentido teve lugar no Dia Mundial do Ambiente na escola nº 71 Albano Machada, na comuna da Palanca, município da Humpata.
Professores, alunos e encarregados de educação, além de entidades da província, plantaram cerca de 60 árvores de jacarandá e acácias
O director do INAC na Huíla, Abel Chico Joaquim, disse que a iniciativa tem como propósito envolver a criança com o meio ambiente, no sentido de cultivar o amor e a preocupação com a natureza.
A plantação de árvores e criação de jardins constitui um desafio que o INAC, em parceria com a Direcção Provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural, se propôs desenvolver em todas as escolas da Huíla, referiu Abel Chico, pedindo às direcções de escolas, professores, pais e encarregados educação que dialoguem com as crianças sobre a importância das árvores para o meio ambiente e a saúde humana.
O técnico do Instituto de Desenvolvimento Florestal na Huíla (IDF), Lofilusa Pires, considerou importante que as crianças cresçam conscientes da necessidade de preservar o ambiente, para que se transformem em advogados do meio.
“A escola é o local ideal para a plantação de jacarandás, porque, além de servir para embelezamento, servem de sombra, produção de oxigénio, cortina para os fortes ventos e regulação do clima”, afirmou. O técnico do IDF sublinhou que a desproporção entre o número de árvores que são abatidas e plantadas está a preocupar a sua instituição, devido aos desequilíbrios ambientais que provoca.
“No quadro da repovoação, IDF tem estado a produzir plantas e a criar viveiros a nível dos municípios para a reposição, mas ainda não é suficiente”, referiu, notando que, desde Janeiro, já foram plantadas mais de cinco mil árvores em toda a província.

Tempo

Multimédia