Províncias

Investimento na Educação está a dar frutos

André Amaro | Lubango

O sector da Educação na Huíla registou progressos consideráveis em vários aspectos, fruto dos investimentos que as autoridades locais estão a levar a cabo nos últimos quatro anos, com vista a melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

O número de alunos inseridos no sistema normal de ensino não pára de crescer
Fotografia: André Amaro|Huíla

O sector da Educação na Huíla registou progressos consideráveis em vários aspectos, fruto dos investimentos que as autoridades locais estão a levar a cabo nos últimos quatro anos, com vista a melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.
Entre 2006 e 2010, governo provincial da Huíla canalizou mais de 16 milhões de dólares para a construção, reabilitação, ampliação e apetrechamento de estabelecimentos de ensino nos 14 municípios. Deste modo, o número de crianças fora do sistema normal de ensino passou de 53 mil, em 2006, para 33 mil, em 2010, representado uma percentagem na ordem dos 27,7 por cento.
Segundo o governador da Huíla, estão actualmente matriculados no sistema de ensino 682.270 alunos, quando em 2006 eram 521 mil, e o número de salas de aula passou de 857 para 1.161.
Isaac dos Anjos, que revelou estes dados na semana passada, durante o encontro de cortesia que manteve com o enviado do Papa Bento XVI, o cardial Frank Rodé, disse que, nos últimos quatro anos, foram investidos no sector 16.995.000 dólares.
Considerando ter havido um progresso significativo devido ao aumento e apetrechamento das salas de aula e à inserção de mais professores, adiantou que a província conta com 1.693 escolas estatais do ensino geral, 1.628 do ensino primário, 55 do secundário e 22 instituições privadas, além de algumas mistas comparticipadas pelo Estado. Existem ainda cinco institutos médios, igual número de estabelecimentos do ensino superior e três escolas de formação técnica profissional.
Em 2006, a Huíla possuía apenas 857 salas de aula para albergar 521 mil alunos, tendo actualmente 5.161 salas de aula e 682.270 alunos. As aulas são asseguradas por 17.835 professores, dos quais 15.779 no ensino primário e 2.012 no secundário, havendo ainda 1.117 funcionários administrativos.
Segundo Isaac dos Anjos, a criação destas condições estão a contribuir para a melhoria da qualidade do processo de ensino e aprendizagem e para a expansão do sector da Educação, Ciência e Tecnologia nos vários pontos da província.
 
Perspectivas

No âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP), está em curso a construção de mais quatro escolas de seis salas, duas de 12 e uma de 20, o que perfaz um total de 68 salas de aulas. Com conclusão prevista ainda para este ano, a entrada em funcionamento destas novas escolas vai possibilitar a inserção no sistema de ensino de mais 7.040 alunos dos diversos níveis.
Isaac dos Anjos disse ainda que, no quadro do Programa de Intervenção Municipal (PIM), os administradores municipais estão a canalizar 30 por cento dos orçamentos dos seus municípios para o sector da Educação.
“Segundo as nossas projecções, temos de construir mais 3.367 salas de aula até 2013, com vista a alcançarmos 908.100 alunos inseridos no sistema de ensino”, disse o governador. Para 2011, o executivo da Huíla tem agendado para o PIP uma quantia de 494.020.484 kwanzas para a construção de mais escolas.
 
Alfabetização

Em relação ao processo de alfabetização na província, Isaac dos Anjos disse que estão em curso algumas acções destinadas a reduzir o número de pessoas iletradas.
Nos 14 municípios que compõem a província, instituições escolares públicas, empresas, associações, cooperativas de camponeses, igrejas, ONG, e outros organismos estão a desenvolver projectos de alfabetização.
O número de pessoas a frequentar as salas de alfabetização na Huíla tem vindo a crescer consideravelmente, embora ainda existam muitas pessoas iletradas.
Dados da direcção provincial da Educação revelam que actualmente 30 mil pessoas, entre adultos e adolescentes, frequentam da segunda à sétima classe o subsistema de ensino de alfabetização em toda a província.
Desde 2007, quando teve início o Programa de Alfabetização, até ao momento, já foram alfabetizadas mais de 75 mil pessoas, na sua maioria camponeses e vendedoras dos mercados informais. Este programa é assegurado por 450 alfabetizadores, distribuídos pelos municípios, que constantemente têm recebido acções de formação para actualizarem as técnicas de ensino.

Tempo

Multimédia