Províncias

ISCED da Huíla formou mestres em Desenvolvimento Curricular

André Amaro | Lubango

Este ano lectivo, 428 estudantes terminaram com êxito a parte curricular do curso de mestrado em Teoria de Desenvolvimento Curricular e Ensino das Ciências, promovido pelo Instituto Superior de Ciências da Educação do Lubango (ISCED).

O acto de encerramento do curso foi marcado pela entrega simbólica de diplomas
Fotografia: André Amaro | Lubango

Este ano lectivo, 428 estudantes terminaram com êxito a parte curricular do curso de mestrado em Teoria de Desenvolvimento Curricular e Ensino das Ciências, promovido pelo Instituto Superior de Ciências da Educação do Lubango (ISCED).
O acto de encerramento foi marcado pela entrega simbólica de diplomas, nas instalações do Instituto Superior de Ciências de Educação ISCED/Huíla, na presença de académicos, membros do governo, familiares e convidados.
O responsável do departamento de investigação científica do ISCED, Bernardo Matias, afirmou que o objectivo do curso é a formação de quadros diferenciados na área do ensino e gestão pedagógica, nas especialidades de teoria e desenvolvimento curricular e ensino da Matemática, Física, Química e Biologia.
A parte curricular do curso de mestrado, que contou com estudantes das províncias de Benguela, Namibe, Bié, Kwanza-Sul, Huambo, Cunene e Kuando-Kubango, durou um ano, com 14 módulos para teoria de desenvolvimento curricular e 27 para o ensino das ciências.  “O diploma não é, por si só, a solução, mas um meio por via do qual conseguimos estar credenciados e habilitados para exercer a profissão, aplicando, na prática, os conhecimentos adquiridos”, disse o vice-governador da Huíla.
José Arão sublinhou que aos futuros mestres são colocadas muitas responsabilidades, como a identificação dos principais constrangimentos com os quais o nosso sistema de ensino se depara, bem como a apresentação de contribuições e sugestões valiosas.
José Arão pediu aos futuros mestres para privilegiarem o uso das novas tecnologias de informação e comunicação a fim de melhorarem a qualidade de ensino e aprendizagem: “já passámos da fase de quantificação para a qualificação, que podemos conseguir aplicando as novas tecnologias de informação e comunicação, para facilitar o processo de assimilação”, afirmou.
O director-geral do Instituto Superior da Educação na Huíla, Raimundo Amizalak, disse que o curso de mestrado é um desafio que a instituição assumiu, para dar resposta à necessidades de formação de quadros para melhoria da qualidade de ensino.

Tempo

Multimédia