Províncias

Jovens terminam formação

Arão Martins| Lubango

Jovens provenientes dos 14 municípios da província da Huíla, num total de 71, terminaram ontem, no Lubango, cursos básicos nas áreas de mecânica, carpintaria, serralharia, corte e costura, sapataria, contabilidade, construção civil, electricidade, culinária e informática.

Muitos jovens estão a receber formação profissional na província da Huíla no âmbito do programa de combate ao desemprego
Fotografia: Kindala Manuel


 
Jovens provenientes dos 14 municípios da província da Huíla, num total de 71, terminaram ontem, no Lubango, cursos básicos nas áreas de mecânica, carpintaria, serralharia, corte e costura, sapataria, contabilidade, construção civil, electricidade, culinária e informática.
Os cursos, promovidos pelo Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP) e inseridos no projecto de cidadania e emprego, duraram oito meses e ministraram aulas teóricas e práticas.
Pedro Tchissingui exortou, em nome dos formandos, os jovens sem ocupação a aderirem em massa à formação profissional. Os recém formados defenderam, também, a aquisição de equipamentos e meios modernos, para facilitar o ensino e aprendizagem, uma vez existirem turmas que ainda utilizam equipamentos rudimentares. Os jovens pretendem que o INEFOP abra as portas ao primeiro emprego para demonstrarem, na prática, os conhecimentos profissionais adquiridos durante a formação e contribuírem para a reconstrução nacional.
O director do Centro Profissional da Huíla, Carlos Eduardo, disse que a conclusão de mais um ciclo de formação profissional vai permitir lançar no mercado de emprego homens qualificados para a grande e nobre tarefa da reconstrução nacional do país.
Ao contrário de anos anteriores, no ciclo de formação de 2010 foi alargado o período de formação de seis para oito meses e incluído um curso de culinária.
Carlos Eduardo pediu aos jovens formados para não abandonarem a carreira profissional. “Não seria de bom-tom constatarmos que um formado se perdeu na sociedade, quando possui um curso profissional. Por isso, comprometemo-nos a ajudar naquilo que for possível para junto das entidades empregadoras da província conseguirem trabalho”, prometeu.
Ao encerrar a cerimónia, o responsável dos Serviços provinciais do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional, Lourenço dos Santos, disse que com a conclusão de mais um ciclo de formação, coloca na sociedade mão-de-obra qualificada e aptidões, para darem o seu contributo no mercado de trabalho. Alem disso reconheceu que as artes e ofícios desempenham um papel preponderante no crescimento e desenvolvimento de qualquer nação.
O ciclo formativo, que está a prestes a finalizar, contou com cerca de 802 formandos, matriculados em cinco unidades orgânicas afectas aos Serviços Provinciais do INEFOP.

Tempo

Multimédia