Províncias

Juventude tem novas casas sociais

A administradora municipal de Chicomba,na província da Huíla, Lúcia Francisca, anunciou que mais de 60 casas sociais do tipo T2 e T3, dos 200 fogos habitacionais previstos, foram construídas desde 2013, no âmbito do programa de desenvolvimento habitacional no município e são entregues em Novembro próximo a funcionários do sector público e privado.

As infra-estruturas sociais foram construídas na região com o objectivo de oferecer maior comodidade aos beneficiários
Fotografia: Nicolau Vasco

As residências estão devidamente mobiladas e foram erguidas em áreas de 600 metros quadrados cada.
As infra-estruturas sociais foram construídas, 40 na sede municipal e 20 na comuna do Qué, com o objectivo de oferecer maior comodidade aos beneficiários, cuja prioridade, numa primeira fase, recai para a juventude, antigos combatentes e veteranos da Pátria e, posteriormente, para os funcionários da Educação, Saúde e Agricultura e Desenvolvimento Rural.
A sua distribuição está dependente da orientação do Governo Provincial, cujo concurso público para a selecção dos beneficiários decorre a bom ritmo.
O projecto continua, numa altura em que estão por se construir mais 140 residências em toda a extensão da municipalidade, no quadro do Programa de Investimentos Públicos (PIP), de desenvolvimento rural e de combate à pobreza.

Famílias são transferidas

A administradora municipal de Mbanza Congo, na província do Zaire, anunciou na segunda-feira que a administração vai dar início, em breve, à transferência de famílias residentes em zonas consideradas de alto risco, para locais mais seguros.
Isabel Nlandu Morena disse à Angop que a medida abrange as residências precárias construídas nas passagens de água, encostas e outros locais de risco, de modo a prevenirem-se acidentes e desabamentos durante a presente época chuvosa.
A secção de fiscalização já identificou as casas sob risco de desabamento nos arredores da cidade e cujas famílias vão ser encaminhadas para áreas mais seguras. A medida inclui a distribuição de lotes de terreno para a auto-construção dirigida. “Temos sensibilizado a população a dirigir-se às autoridades competentes, no sentido de solicitar lotes de terreno em locais seguros, mas muitos preferem desobedecer e construir em zonas precárias”, lamentou a administradora de Mbanza Congo.
Em relação ao saneamento básico, considerou ainda débil o serviço prestado por uma empresa privada, por excluir parte considerável dos bairros suburbanos na recolha de lixo e outros resíduos sólidos, assim como no tratamento de jardins.

Mbanza Congo

O município de Mbanza Congo, sede provincial do Zaire, tem cinco bairros: Sagrada Esperança, Álvaro Buta, Martins Kidito, 11 de Novembro e 4 de Fevereiro.
O município abrange as comunas sede, Luvo, Caluca, Calambata, Madimba e Nquiende, com uma população de 173. 850 habitantes.

Tempo

Multimédia