Províncias

Khoisan pedem apoio às autoridades

André Amaro | Lubango

Membros da comunidade Khoisan, na localidade do Mutimbate, município do Quipungo, província da Huíla, solicitaram o apoio das autoridades governamentais na implementação da merenda escolar, no sentido de incentivar as crianças a frequentarem as aulas e aumentar o nível de assimilação.

Zeferino Periquito pede ajuda ao governo
Fotografia: André Amaro

Membros da comunidade Khoisan, na localidade do Mutimbate, município do Quipungo, província da Huíla, solicitaram o apoio das autoridades governamentais na implementação da merenda escolar, no sentido de incentivar as crianças a frequentarem as aulas e aumentar o nível de assimilação.
O responsável da comunidade Khoisan, Zeferino Periquito, que falava a propósito da visita do vice-governador para a área Politica e Social da província da Huíla, José Arão, referiu que os pais e encarregados de educação encontram grandes dificuldades para dar de comer os seus filhos, o que faz com que muitos abandonem as aulas, daí ter solicitado o apoio das autoridades governamentais para implementar a merenda escolar.
“Muitos alunos deixam de frequentar a escola por causa da fome e os pais e encarregado de  educação não têm condições para dar, pelo menos, uma refeição ao dia, o que dificulta a assimilação e, quando chega o fim do ano lectivo, a maior parte acaba por reprovar”, notou. Para se inverter o quadro, o responsável sugere a implantação da merenda escolar naquela localidade no sentido de incentivar as crianças a irem à escola e estimular a assimilação durante as aulas.
Zeferino Periquito aproveitou a ocasião para agradecer, em nome da população, o apoio que o governo tem prestado na assistência alimentar, vestuário, instrumentos de trabalho, utensílios de cozinha, sementes, gado e outros produtos essencias.
Na localidade, o governo da província construiu um posto de saúde que funciona com dois enfermeiros, além de ter sido instalado o sistema de água potável que permitiu a redução de doenças. Com o apoio das autoridades locais, a comunidade Khoisan deixou de ter a caça como a principal actividade, dando lugar à agricultura.
Nesta época agrícola, disse o responsável, “a comunidade cultivou quantidades razoáveis de diversos produtos alimentares, como milho, massango, massambala e amendoim e, referiu, espera-se colher de cada entre 400 a 500 quilos a subsistência colectiva”. O vice-governador para a Área Política e Social, José Arão, ouviu as preocupações da comunidade Khoisan e prometeu levá-las aos membros do governo provincial, no sentido de encontrarem uma solução.

Tempo

Multimédia