Províncias

Laboratório é instalado no Lubango

Arão Martins | Lubango

A partir de Janeiro do próximo ano, os medicamentos colocados nas farmácias e nos hospitais da Huíla passam a ter maior qualidade e segurança, com a instalação na cidade do Lubango do primeiro laboratório vocacionado na área, anunciou o chefe de departamento provincial de Inspecção da Direcção da Saúde.  

Instalação do laboratório na Huíla vai permitir que haja uma avaliação dos medicamentos que devem ser colocados no circuito comercial e nos hospitais
Fotografia: kindala Manuel

José Moisés Peso disse ao Jornal de Angola, à margem da acção de formação dirigida aos proprietários de depósitos, farmácias, clínicas e centros médicos sobre os cuidados a ter no manuseio de medicamentos, que o laboratório de medicamentos vai funcionar no Departamento Provincial de Inspecção e Fiscalização da Direcção da Saúde, sob responsabilidade da Direcção Nacional da Inspecção Geral do Ministério da Saúde.
O responsável considerou fundamental a qualidade de medicamentos colocados nas farmácias e nos hospitais de modo a garantir a segurança dos pacientes, visto que, referiu, as irregularidades podem ocasionar alterações físico-químicas, organolépticas e comprometer a acção terapêutica dos medicamentos.
A instalação do laboratório na Huíla vai permitir que haja uma avaliação dos medicamentos que devem ser colocados no circuito comercial e hospitalar.
A província dispõe de 12 depósitos de medicamentos de alta dimensão e a avaliação da sua qualidade continua a ser uma preocupação das autoridades sanitárias locais. “Pensamos nós que a falsificação de medicamentos constitui um problema sério de saúde pública, o que tem sido preocupação constante do Governo no combate a este fenómeno.
A funcionalidade de um laboratório é um elemento em falta na província, mas há garantias da sua instalação ainda no mês de Novembro”, esclareceu o responsável.
José Moisés Peso explicou que, no âmbito de combate à contrafacção de medicamentos, o departamento de Inspecção se limita a realizar a análise de forma física ou ainda através da cor, cheiro e outras características que podem ser vistas a olho nu.
O chefe de departamento provincial de Inspecção da Direcção da Saúde espera que, com a instalação do laboratório, se possa dar resposta a este fenómeno, mas, em relação à existência de medicamentos falsos, explicou ser difícil auferir dados reais, por inexistência de laboratórios. “A qualidade de fármacos está associada ao acondicionamento. M­ui­tas vezes, nos deparamos com fármacos que perdem as propriedades por causa do acondicionamento, por isso é que se está   a trabalhar com os responsáveis de depósitos, farmácias dos hospitais  no sentido de melhorar as condições de armazenamento”, disse.

Tempo

Multimédia