Províncias

Laboratório produz vacinas animais

A abertura do primeiro laboratório regional de fábrico de vacinas para a veterinária vai permitir reduzir a perda de animais por doenças e aumentar a produção de carnes e outros derivados, afirmou ontem o director do laboratório, António Cristóvão Neto.

A abertura do primeiro laboratório regional de fábrico de vacinas para a veterinária vai permitir reduzir a perda de animais por doenças e aumentar a produção de carnes e outros derivados, afirmou ontem o director do laboratório, António Cristóvão Neto.
Em declarações à Angop, no Lubango, o responsável da unidade afirmou que o laboratório que será devidamente equipado com meios de última geração e preparado para tratar de algumas doenças mais frequentes na região, como a peripneumonia contagiosa, o carbúnculos e a brucelose.
Para além de reduzir as doenças animais, principalmente em bovinos, o director disse que o laboratório vai fazer com que a produção de alimentos - como a carne, ovos, leite e outros derivados - aumente na região e em particular na província da Huíla. 
António Cristóvão Neto explicou que, para a execução do projecto de instalação do laboratório, a Direcção da unidade veterinária vai contar com a colaboração de técnicos espanhóis e nacionais, que vão trabalhar com as comunidades, por forma a sensibilizá-las a tratarem os seus animais. O director acrescentou que a direcção da instituição prevê desenvolver projectos de pesquisa nas áreas do diagnóstico da peripneumonia bovina, tuberculose, brucelose,  doenças que têm causado a morte de grandes quantidades de cabeças de gado bovino e prejudicado a economia nacional.
A província da Huíla, que tem um efectivo bovino na ordem dos três milhões de cabeças de gado,  conta por enquanto com um laboratório que serve apenas para a conservação de reagentes e pesquisa. Na província do Bié, mais de 25 mil cabeças de gado bovino serão vacinadas contra a peripneumonia contagiosa, a partir da segunda quinzena deste mês,  pelos Serviços Veterinários.
Falando ontem  à Angop,  o responsável dos Serviços de Veterinária no Bié, Domingos Ngueve, sublinhou que numa primeira fase a campanha terá início nos municípios do Chinguar, Chitembo e Kuito, onde se regista maior presença de gado bovino.
Domingos Ngueve esclareceu que os Serviços de Veterinária vão imunizar 25 mil animais dos cerca de 42 mil cabeças de gado bovino existente na região, devido o número de trabalhadores, cerca de seis elementos.
Para o êxito do programa de vacinação, o responsável sublinhou a necessidade dos criadores de gado bovino colaborarem activamente com os vacinadores,  organizando os animais nos currais para facilitar o trabalho dos mesmos.
Em Setembro do ano passado,  os Serviços de Veterinária da província do Bié vacinaram mais de 23 mil cabeças de gado bovino contra a peripneumonia.

Tempo

Multimédia