Províncias

Lançado projecto imobiliário para viúvas e veteranos de guerra

Um projecto imobiliário, orçado em, pelo menos, 200 milhões de dólares, foi lançado, na sexta-feira, na cidade do Lubango, pelo consórcio Comandante Loy-Sá, para beneficiar viúvas, antigos combatentes e veteranos da pátria, bem como mulheres desamparadas.

Tal como noutras províncias do país, a Huíla também dá grandes passos no programa de construção de residências
Fotografia: Jornal de Angola

Um projecto imobiliário, orçado em, pelo menos, 200 milhões de dólares, foi lançado, na sexta-feira, na cidade do Lubango, pelo consórcio Comandante Loy-Sá, para beneficiar viúvas, antigos combatentes e veteranos da pátria, bem como mulheres desamparadas.
 Enquadrado no programa do governo de construção de um milhão de casas, o projecto prevê a construção de 3.800 casas do tipo T2, T3 (sociais) e T4 (média renda), numa primeira fase.
O projecto, a ser executado pelas empresas parceiras Contraste e Altimus Consulting Lda, deve ser entregue ao governo provincial.
O governo provincial da Huíla vai ceder novos terrenos para que se possa edificar todo projecto, com arruamentos, saneamento e outras infra-estruturas técnicas.
 Numa primeira fase, foi cedida, pelo governo da província, uma área de 110 hectares, no bairro Nambambe, onde se vai começar a erguer o projecto, a partir da segunda quinzena deste mês.
O presidente do Conselho de Administração do consórcio, Domingos Francisco Barros, disse que as casas do tipo T2 e T3, destinadas às viúvas e antigos combatentes e veteranos da pátria, estão orçadas, no mínimo, em 30 mil dólares.
Em relação aos antigos combatentes e veteranos da pátria controlados pelo governo, as casas vão ser atribuídas com o acompanhamento dos governos provinciais, para posterior entrega ao Ministério dos Antigos Combatentes.
 O Ministério da Família e Promoção da Mulher participa no projecto para se encontrar uma estratégia para a atribuição das casas e promover empregos para filhos de integrantes nas comunidades, facultando-lhes a possibilidade de pagamento num período de até dez anos. O apoio do Governo é crucial para a materialização do projecto.

Tempo

Multimédia