Províncias

Lubango reabilita ruas estruturantes

André Amaro | Lubango

A rede viária e os passeios das ruas do centro do Lubango, capital da Huíla, estão a ser ampliados e modernizados para tornar mais fluida a circulação automóvel e de pessoas.

Modernização aumenta a qualidade de vida
Fotografia: André Amaro|Huíla

O administrador municipal do Lubango, Silvano Levi, disse que as obras consistem fundamentalmente na abertura de novas vias de acesso, reabilitação e asfaltagem de troços importantes para descongestionar o trânsito e construção de novos passeios.
Lubango é considerado o segundo maior parque automóvel do país, a seguir a Luanda, salientou o administrador. Por essa razão, prosseguiu, as autoridades locais são obrigadas a aumentar e modernizar a rede viária, para dar resposta a este crescimento e garantir melhor qualidade de vida aos habitantes.
No quadro do processo de melhoramento das vias, foi requalificada a Rua do Palácio até ao cine Arco-íris, uma das mais movimentadas, com a instalação de novos passeios separadores, sistemas gota a gota para a irrigação das plantas, drenagem e asfaltagem da via por detrás das Obras Públicas até às bombas, aberta recentemente.
Neste momento, está a ser feita a drenagem, ampliação e asfaltagem da Rua Hoji ya Henda, na ligação com a zona da Huilapão, até ao bairro do caminho-de-ferro. A estrada que passa pelo Instituto de Investigação Veterinária (bairro Benfica) para ao bairro João de Almeida está em obras. No programa de reabilitação das vias estruturantes do Lubango consta, ainda, o troço da zona do prédio da III que vai dar ao bairro da Mapunda, para permitir a viabilização da circulação de veículos pesados e o prolongamento da estrada rio Mukufi/bairros Machiqueira e Benfica.
“Estamos a trabalhar no acesso que vai do Grande Hotel da Huíla até ao bairro do Calumbiro para facilitar a circulação na estação velha do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes”, frisou Silvano Levi, garantindo que está em curso um programa de plantação de árvores para manter o equilíbrio ecológico.
Nos últimos dois anos já foram plantadas no centro da cidade mais de 35 mil árvores, entre gravilhas, acácias rubras, palmeiras, espinheiros e outras de ornamentação, enquanto na preferia estão ser experimentadas espécies autóctones, como a mupanda e eucaliptos para protecção dos solos.
No centro do Lubango, as árvores com mais de 50 anos estão a ser substituídas para melhorar a imagem e garantir a purificação do oxigénio.

Tempo

Multimédia