Províncias

Lubango tem Cyber Café para os deficientes físicos

Domingos Mucuta| Lubango

As pessoas portadoras de deficiência podem agora aceder gratuitamente à Internet, graças à iniciativa do Centro de Referência para Pessoas com Deficiências que, na segunda-feira passada, inaugurou no Lubango o "Cyber Café Elavoco".

Governo e ONG desenvolvem vários projectos para apoiar os deficientes físicos
Fotografia: Domingos Mucuta| Lubango

As pessoas portadoras de deficiência podem agora aceder gratuitamente à Internet, graças à iniciativa do Centro de Referência para Pessoas com Deficiências que, na segunda-feira passada, inaugurou no Lubango o "Cyber Café Elavoco".
Instalado junto à direcção provincial da Assistência e Reinserção Social, o Cyber Café conta com o apoio da Organização Não-Governamental Handicap Internacional, que disponibilizou os modems das operadoras nacionais Unitel e Movicel, conectados a 11 computadores.
O director do Centro da Huíla, Didier Sulisa, explicou durante a abertura que o Elavoco faz parte de uma estratégia destinada a facilitar o acesso dos cidadãos desfavorecidos às novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).
O projecto, segundo explicou, além de facilitar a utilização da Internet, “vai diversificar as fontes de receitas para a sustentabilidade do Centro e promover a reintegração socioeconómica dos deficientes”.
“Queremos que pessoas com deficiência tenham oportunidade de utilizar a Internet e de se informar sobre os acontecimentos políticos, sociais e económicos do país. Os estudantes podem também investigar os conteúdos científicos, porque está aberto aos interessados”, declarou.

Gestão de pequenos negócios

Para garantir uma boa gestão do Cyber Café, os membros do Centro de Referência de Pessoas Portadoras de Deficiência Elavoko receberam uma formação sobre noções básicas de gestão de pequenos negócios, dada pelos técnicos da Handicap Internacional.
A formação abrangeu 38 pessoas com deficiência, entre beneficiários dos projectos de moto-taxistas, estampagem e corte e costura, que aprenderam as bases elementares da “gestão de pequenos fundos”, “cálculo de preços”, “poupança e aplicação dos rendimentos”.
O técnico da Handicap Internacional, Paulino Gomes, garantiu que as pessoas com deficiência estão preparadas para criar iniciativas geradoras de rendimento e administrar os fundos. “O curso surgiu em resposta à necessidade manifestada pelos próprios beneficiários, para que possam controlar melhor as suas receitas”, sublinhou.
O Centro de Referência de Pessoas com Deficiência (Elavoko) foi criado em 2006, pelo Ministério da Assistência e Reinserção Social, com objectivo de desenvolver acções em benefício do grupo.

Tempo

Multimédia