Províncias

Mais água nas torneiras de Arimba e Huíla

Arão Martins |Lubango

Os habitantes das comunas da Arimba e Huíla, município do Lubango, vão passar a ter acesso à água potável em casa, a partir do mês de Agosto, com as obras de melhoria dos sistemas locais de abastecimento, iniciadas em Novembro, financiadas pelo Ministério da Energia e Água, em parceria o Governo Provincial da Huíla, e a supervisão da direcção local do sector.

Os trabalhos estão em fase de instalação das condutas e vai ser feito o aproveitamento da captação de água e da estação de tratamento existente
Fotografia: Arimateia Baptista|Lubango

Os habitantes das comunas da Arimba e Huíla, município do Lubango, vão passar a ter acesso à água potável em casa, a partir do mês de Agosto, com as obras de melhoria dos sistemas locais de abastecimento, iniciadas em Novembro, financiadas pelo Ministério da Energia e Água, em parceria o Governo Provincial da Huíla, e a supervisão da direcção local do sector.
O director técnico da Sela Group, empresa encarregue da execução das obras, João Saraiva, explicou que a filosofia dos dois projectos seguiu a mesma matriz, tendo em vista a distribuição de água potável em casa, através da instalação da rede domiciliar.
Quando o projecto terminar, cerca de 90 por cento da população vai ficar abrangida na sede da comuna da Arimba e mais 60 por cento nos vários bairros da localidade.
Na comuna da Huíla, a água vai chegar a todas as casas da sede, uma modalidade diferente daquela em que as populações recebiam o produto através de sondas, lavandarias e infra-estruturas colectivas.
Para o sucesso do programa, vai ser feita uma redistribuição de água com cerca de 24 mil metros, que abrange 400 casas edificadas na sede da comuna, para um total de oito mil pessoas, numa primeira fase. João Saraiva assegurou que os trabalhos estão em fase de instalação das condutas e vai ser feito o aproveitamento da captação de água e da estação de tratamento existente, ao abrigo do programa “Água para Todos”. A estação de tratamento de água potável, situada na cascata da Huíla, vai ser integrada na nova rede de distribuição de água, prevendo-se um aumento significativo do número de consumidores, uma vez que vai produzir cerca de dez metros cúbicos, por hora. “Mas a nossa pretensão é produzir, a partir dos fossos de captação de água, mais de 50 metros cúbicos/hora”, adiantou.
O projecto contempla a construção de um reservatório de 500 metros cúbicos, na serra da cascata, para a compensação e regularização da distribuição de água durante todo o dia.
A empresa construtora garante terminar a instalação da conduta o mais depressa possível, prevendo que, em Agosto, esteja tudo operacional. Nos dois projectos, estão a ser colocadas extensões de condutas de adução e distribuição, além de ramais domiciliares.
O projecto, orçado em 200 milhões de kwanzas, permitiu o enquadramento de 120 jovens locais, que se juntaram aos 30 técnicos da empresa executora.
A administradora comunal da Huíla, Carmen Duarte, disse que o programa, a nível da comuna, também vai abranger os bairros periféricos da sede comunal.

Tempo

Multimédia