Províncias

Mais enfermeiros estão no mercado

Arão Martins | Caluquembe

Os primeiros 17 enfermeiros e e técnicos de laboratório formados em quatro anos pela Escola Técnica de Saúde de Caluquembe, após o estabelecimento escolar ter sido elevado a Instituto Médio, receberam no início da semana os certificados e diplomas. Os novos profissionais de saúde são provenientes das províncias de Benguela, Cunene, Kwanza-Sul, Luanda e Namibe.    

Vice-Governador para a esfera social José Arão Nataniel pede aos novos técnicos de saúde que apliquem os conhecimentos adquiridos
Fotografia: Arimateia Baptista | Caluquembe

Os primeiros 17 enfermeiros e nove técnicos de laboratório formados em quatro anos pela Escola Técnica de Saúde de Caluquembe, após o estabelecimento ter sido elevado Instituto Médio, receberam no início da semana os certificados e diplomas.
Os novos profissionais de saúde são provenientes províncias do Namibe, Cunene, Benguela, Luanda e Kwanza-Sul.
O presidente da Obra Médica da Igreja Evangélica Sinodal de Angola (IESA) disse que os novos enfermeiros têm de trabalhar durante dois anos no Hospital de Caluquembe e em 20 centros daquela confissão religiosa instalados no Namibe, Cunene e Kuando-Kubango.
A par da formação profissional, salientou, os recém-formados tiveram lições ligadas a questões bíblicas, “o que lhes permitir prestar assistência mais humanizada”.
Paulo Ismael agradeceu ao Governo Provincial e à Administração Municipal de Caluquembe por terem disponibilizado professores e dotados as salas com equipamento moderno.
A cerimónia de entrega de certificados foi presidida pelo vice-governador provincial para o sector político e social, que declarou que “a formação dos novos enfermeiros começa agora, pois vão encontrar doentes que não sabem agradecer e patologias que nunca viram”.
A ciência, referiu, é dinâmica e exige aos novos quadros contínua investigação.
José Arão Nataniel recordou que é preocupação do Executivo humanizar os serviços de saúde, com “um atendimento digno e distribuição aceitável de medicamentos”. Em conformidade com as preocupações do Executivo, disse, é preciso que os novos enfermeiros procurem devolver a alegria aos doentes, prestando-lhes serviços de qualidade.
O vice-governador elogiou o papel da IESA a nível da evangelização e nas áreas da educação e da saúde, “em resposta às grandes preocupações da população” e deu como exemplo o Hospital de Caluquembe que tem contribuído para melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.
As Igrejas, disse, têm um papel indispensável na moralização e organização da sociedade, na pacificação dos espíritos e erradicação do analfabetismo.

Tempo

Multimédia