Províncias

MAPESS denuncia discriminação de seropositivos no local de trabalho

Domingos Mucuta | Lubango

O inspector da direcção provincial da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (Mapess) na Huíla, Venâncio Joaquim, denunciou na terça-feira, no Lubango, existirem casos de descriminação de trabalhadores seropositivos nas empresas públicas e privadas.

Trabalhadores abordam HIV/Sida
Fotografia: Arimateia Baptista

O inspector da direcção provincial da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (Mapess) na Huíla, Venâncio Joaquim, denunciou na terça-feira, no Lubango, existirem casos de descriminação de trabalhadores seropositivos nas empresas públicas e privadas.
Falando numa palestra sobre o tema “Todos na Luta contra o HIV/SIDA, no combate à descriminação e estigma no local de trabalho”, dirigido aos trabalhadores de empresas públicas e privadas do Lubango, Venâncio Joaquim disse que a denúncia de casos de estigmatização e descriminação pode ser feita pelos seropositivos ou por outros empregados, com vista à defesa dos direitos dos trabalhadores infectados, à luz do decreto 43/03, sobre a protecção dos funcionários.
A Inspecção-Geral do Trabalho encarrega-se de controlar e aplicar normas, explicou o inspector, mas como muitos trabalhadores desconhecem os seus direitos, estão sujeitos a passar por situações muitas vezes humilhantes.
“As pessoas não têm a cultura de denunciar quando são discriminados no seu posto de trabalho. Os lesados devem informar a Inspecção-Geral do Trabalho ou as autoridades policiais para que a situação seja acautelada ”, incitou.
A actividade, enquadrada na semana nacional de inspecção-geral do trabalho, conta com a parceria da Prazedor, uma Organização Não-Governamental de luta contra a Sida.

Medidas preventivas

O activista da Prazedor, Jaime Francisco, lembrou, durante a palestra, que a abstinência ou o retardamento da actividade sexual, o uso correcto e constante do preservativo e a fidelidade mútua são os métodos aconselhados para se evitar a infecção.
Jaime Francisco frisou que as empresas desempenham um papel importante no combate à Sida, porque podem influenciar os funcionários a aderir voluntariamente aos centros de aconselhamento e testagem voluntária para conhecer o seu estado serológico e tomar medidas preventivas.

Tempo

Multimédia