Províncias

Matala tem novo hospital municipal

André Amaro | Lubango

As populações do município da Matala passam a dispor de um hospital municipal com capacidade para internar 125 pacientes e prestar um conjunto de serviços modernos.

O novo hospital municipal da Matala com capacidade para internar 125 pacientes tem equipamentos modernos
Fotografia: Santos Pedro

As populações do município da Matala passam a dispor de um hospital municipal com capacidade para internar 125 pacientes e prestar um conjunto de serviços modernos.
Erguido de raiz pela construtora chinesa, Sino Hidro, durante um ano, o hospital está apetrechado com tecnologia de ponta e vai prestar serviços nas áreas de pediatria, maternidade, ortopedia, neurologia, enfermagem, cirurgia e outros.
O responsável municipal da Matala da Saúde, Daniel Cambangula, informou que há mais de três meses que as obras de construção do hospital e da residência para os médicos está concluída, aguardando pela entrega e inauguração.
As condições técnicas e os recursos humanos estão criados para que tão logo a unidade sanitária seja inaugurada, comece a funcionar, salientou Daniel Cambangula.
O funcionamento do hospital vai ser garantido por 249 efectivos, dos quais oito médicos (cinco cubanos e três angolanos) de diferentes especialidades, 64 técnicos de saúde e pessoal administrativo.
Daniel Cambangula explicou que o hospital vai oferecer serviços que não existiam anteriormente no município, como cirurgia, ortopedia, urologia e clínica geral. Para além das populações residentes, a unidade vai atender doentes provenientes dos municípios da Chicomba, Quipungo e Cacula, que actualmente são obrigados a recorrer à cidade do Lubango quando necessitam de cuidados médicos.
Neste momento, referiu aquele responsável, o acesso entre o hospital e a sede municipal, numa distância de três quilómetros, constitui uma das principais preocupações e está a condicionar a abertura do estabelecimento ao público. O município da Matala fica a 220 quilómetros da cidade do Lubango, capital da Huíla, onde as autoridades pretendem baixar a mortalidade.

Tempo

Multimédia