Províncias

Mediateca está a reduzir os custos das pesquisas

Estanislau Costa e João Katombela | Lubango

A mediateca aberta na cidade do Lubango, em Agosto passado, reduziu os custos relativos à pesquisa por parte dos estudantes do ensino geral e universitário da província da Huíla, constataram membros do MPLA, que visitaram a instituição no quadro das comemorações do 56º aniversário daquele partido.

Estudantes universitários e munícipes da cidade do Lubango têm agora todas as condições criadas para poderem navegar na Internet
Fotografia: Arimateia Baptista| Lubango


A mediateca aberta na cidade do Lubango, em Agosto passado, reduziu os custos relativos à pesquisa por parte dos estudantes do ensino geral e universitário da província da Huíla, constataram membros do MPLA, que visitaram a instituição no quadro das comemorações do 56º aniversário daquele partido.
Vários usuários da Mediateca abordados por membros do partido governamental, enalteceram a iniciativa do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que com a criação das mediatecas permite um maior acesso à pesquisa por parte dos estudantes e contribui para a formação de quadros.
Elisa Cassinda, estudante do curso de Psicologia no Instituto Superior de Ciências de Educação na Huíla, está agora mais animada a fazer parte do processo de pesquisa com os colegas, pelo facto de os custos terem conhecido uma redução considerável, estar facilitado o acesso à Mediateca e haver variedade de obras, tecnologia à altura e espaço suficiente.
O acesso ao centro custa mil kwanzas por ano e os estudantes têm à disposição todas as condições necessárias e modernas para investigação. Elisa disse que, antes, os estudantes tinham muitas dificuldades no acesso às fontes de pesquisa.
“Recorríamos aos ciber-cafés, onde 10 minutos de navegação custavam 100 kwanzas e com a desvantagem da abertura de qualquer portal ou site ser muito lenta”, disse, tendo explicado que a busca de conteúdos através de livros também era difícil porque “a procura superava a oferta. A solução era fotocopiar a obra e ficava muito caro”.
Venâncio Muatchitengue, 19 anos, usuário da Mediateca há cerca de dois meses, mudou de rotina desde que o centro de investigação abriu ao público, com a inauguração feita pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos. “Agora, saio da faculdade, almoço, descanso um pouco e vou para a Mediateca, onde passo a maior parte do tempo”.
Venâncio faz as tarefas escolares, enriquece os trabalhos com a pesquisa na Internet, recreia-se com as músicas ou filmes e, de quando em vez, assiste às palestras realizadas na sala de conferências da Mediateca. “O Governo criou um lugar com tudo para livrar, sobretudo os jovens, dos maus caminhos”.
Para ele, o conhecimento universal pode ser adquirido no novo centro de investigação do Lubango e partilhado na sala de aulas com os colegas e professores a jogarem um papel fundamental na correcção do que está a mais e a levar os formandos a captar o essencial para a instrução com qualidade e competência.
 
Frequência de crianças e jovens

O local recebe, por dia, 350 pessoas, entre crianças e adultos. A preferência dos usuários vai para os serviços de leitura no formato físico e virtual, Internet, catalogação e recreação, com o espaço de poesia para todas as idades a registar muita concorrência.
O responsável de Comunicação e Imagem, Domingos José, contabiliza em cinco mil o número de pessoas que recorreram aos serviços da Mediateca entre Outubro e princípios de Dezembro. Os usuários têm à disposição 400 pontos de rede, 14 monitores em TV cooperativa, zona multi-média, área para recreação para jovens e crianças, depósito de material e arquivo.  O imóvel, implantado numa zona de 2.300 metros quadrados, possui ainda uma sala de tratamento de dados, recepção, quadros electrónicos e outros.
A infra-estrutura, orçada em quatro milhões de dólares, está capacitada para acolher 1.800 utilizadores por dia e o auditório pode acomodar 122 pessoas, incluindo indivíduos portadores de deficiência.
O apetrecho informático contempla 86 computadores de mesa e portáteis, 350 jornais electrónicos, teses de mestrado e doutoramento para auxiliar na pesquisa.
Para os apreciadores da leitura, a casa reserva um espaço para 160 lugares e uma cafetaria para 245 pessoas. No que tange à bibliografia universal, a Mediateca possui mais de 50 mil eBooks, oito mil livros e DVDs. Os promotores de eventos culturais da província da Huíla e de outros pontos do país têm a oportunidade de realizar actividades de vulto, como teatro, shows musicais, concursos de dança, numa área apropriada, que pode acomodar mais de 300 pessoas. O funcionamento do imóvel é assegurado por 29 funcionários.  O coordenador da delegação do MPLA que visitou a Mediateca, o deputado Desidério da Graça, mostrou-se satisfeito com os serviços prestados pela instituição, que está a corresponder às expectativas das crianças, jovens e adultos.
O desenvolvimento socioeconómico e político do nosso país, disse Desidério Graça, passa pela formação em quantidade e qualidade de todos os filhos desta Nação. Por isso, todos os estudantes dos vários níveis de ensino devem afluir em massa à Mediateca, sobretudo nesta época das férias.

Tempo

Multimédia