Províncias

Médicos cubanos distinguidos na província

Arão Martins | Lubango

Médicos cubanos em serviço no município de Chicomba receberam distinções do Governo Provincial da Huíla, através da direcção da Saúde, pelo contributo dado em prol da assistência médica às populações.

Na província da Huíla há também médicos russos mas a grande maioria dos especialistas é de nacionalidade cubana
Fotografia: Arão Martins | Lubango

O director provincial da Saúde, Altino Matias, disse que a distinção resulta da disponibilidade, entrega e espírito de ajuda que os médicos prestam há mais de três anos no Hospital Municipal, centros e postos de saúde, assim como nas unidades das comunas de Cutenda e Quê.
Neste momento, as unidades clínicas do município de Chicomba funcionam com três médicos, com as especialidades clínica geral e materno-infantil, e uma licenciada em Estatística.
A presença dos especialistas fez com que a população deixasse de percorrer cerca de 230 quilómetros para garantir assistência médica no Lubango ou os 120 quilómetros até à Matala.
A administradora municipal de Chicomba, Lúcia Francisca, reconheceu que os médicos colocados na circunscrição não se poupam a esforços para prestar a melhor assistência médica e medicamentosa, tanto a nível do Hospital Januário Calola, como dos postos médicos e centros de saúde de referência locais.
Lúcia Francisco salientou que, no quadro do Programa de Combate à Pobreza e de Investimentos Públicos, vários projectos foram concretizados no município. A construção e o apetrechamento de hospitais e centros de saúde são, entre outros, importantes ganhos conseguidos na região nos últimos tempos, o que tem estado a melhorar de forma significativa a qualidade de vida das populações.
O director provincial da Saúde na Huíla explicou que, além da assistência nos hospitais, os médicos cubanos têm estado a prestar também assistência médica gratuita, de forma periódica, às comunidades. Altino Matias salientou que existe uma cooperação geral muito marcante para a formação e reforço da área assistencial, que envolve 160 médicos de várias especialidades.
“Os médicos cubanos representam uma grande valia para o bem das populações da província, daí que reforcemos sempre a aliança, que é antiga”, disse o director, para adiantar que há actividades programadas para os 14 municípios da Huíla.
Os profissionais exercem a actividade médica nos municípios de Chipindo, Cuvango, Jamba e Matala. Participam igualmente na formação de médicos especializados do curso de pós-graduação em Ciências Médicas na Huíla, no quadro do programa traçado pelo Ministério da Saúde. A intenção das autoridades é fazer com que se formem mais médicos jovens em várias especialidades, para que, a médio e longo prazos, possam ocupar os espaços actualmente sob responsabilidade de estrangeiros.

Boa cooperação

Na província da Huíla, além  de médicos cubanos também há médicos russos, mas a grande maioria dos especialistas é cubana.O porta-voz dos médicos cubanos na Huíla, Francisco Pires, considerou que a cooperação entre os governos de Angola e de Cuba, no sector da Saúde, é muito boa.
O médico cubano avançou que a nível da cidade do Lubango, onde tem uma forte representatividade, estão a trabalhar no Hospital Central António Agostinho Neto, na pediatria Pioneiro Zeca e na Maternidade Irene Neto, além dos que funcionam nos municípios da Matala, Jamba, Gambos e Chicomba. Francisco Pires reconheceu que a colocação de médicos cubanos e de outras nacionalidades está realmente a reflectir-se na qualidade de vida das populações, ajudando a reduzir o índice de mortalidade infantil, má nutrição e a proporcionar os serviços essenciais.
O porta-voz dos técnicos de saúde cubanos destacou o papel importante que está a ser desenvolvido pelo Governo na formação de médicos. Quanto às condições de acomodação, disse não ter qualquer tipo de preocupação, uma vez que as autoridades locais proporcionam situações positivas para o exercício da actividade e de acomodação.
A troca de experiências entre médicos cubanos e angolanos foi realçada por Francisco Pires. “Somos colegas e irmãos. Trabalhamos juntos e estamos a receber conhecimentos uns dos outros, porque ninguém sabe tudo. Estamos satisfeitos pior tudo”, disse o porta voz.

Tempo

Multimédia