Províncias

Mercado Rural entrou em funcionamento

Domingos Mucuta| Cavilongo

Vendedores informais da comuna de Capunda Cavilongo, no município da Chibia, província da Huíla, têm agora melhores condições de comercializar os seus produtos agrícolas, com a entrada em funcionamento de um mercado rural, construído de raiz.

Construção do novo mercado na comuna permitiu aos vendedores a exercerem a actividade em melhores condições de higiene e de sanidade
Fotografia: Domingos Mucuta

O empreendimento social, orçado em cerca de dez milhões de kwanzas e construído no quadro de Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento e de Combate à Pobreza, foi inaugurado pelo governador da Huíla, João Marcelino Tyipingue.
O mercado, com capacidade para 33 bancadas, oferece melhores condições para acolher parte dos vendedores que exerciam actividade em locais impróprios, onde comercializavam produtos diversos, sem as mínimas condições de higiene e sanidade.
Os vendedores e os produtos da comuna que comercializam jamais estão expostos ao sol e à chuva já que o espaço está coberto de chapas de zinco e vedado por uma cerca.
Também foi construído no recinto do mercado gabinete administrativo e quartos de banho. 
A vendedora de frutas Paulina Cláudia é uma das primeiras contempladas com um lugar no novo mercado e manifestou a sua satisfação em poder comercializar os seus produtos num local seguro e com condições apropriadas para o exercício desta actividade.Como a primeira a aderir ao projecto do Governo de melhoria das condições dos vendedores, Paulina Cláudia disse ter no primeiro dia comercializado todas as frutas que trazia.
 A vendedora considerou um acto de reconhecimento à comunidade a construção deste mercado pela Administração. “Aqui temos mais espaço, sombra e ninguém está sujeito a apanhar chuva. Sei que muitos estão interessados em vender neste mercado, e por isso há necessidade de se ampliar, para que mais pessoas tenham também acesso”, precisou.
A vendedora Arminda Lucinga manifestou satisfação e agradecimento pelo empenho do Governo Provincial na construção do mercado que há muito esperavam, sublinhando que com o novo espaço, os comerciantes vão também sentir os efeitos de desenvolvimento que o país regista nos últimos anos. O governador da Huíla, João Marcelino Tyipingue, espera que o mercado sirva de factor para venda e espaço ideal para o escoamento de produtos agrícolas nesta comuna, considerada como uma das mais produtiva do município da Chibia, onde a maioria da população tem a agricultura e a pecuária como actividades principais. A Administração Comunal de Capelongo está preocupada com o atraso das obras de construção das casas sociais para os quadros. O administrador comunal adjunto, Eduardo Cumena, disse que não encontra razões para que as obras ultrapassem os prazos definidos no contrato.
“Na verdade, regista-se atraso na execução das obras, mas não se consegue perceber as razões. Penso que não há justificação da empresa encarregada da obra em paralisar os trabalhos”, salientou.
As casas sociais constam do plano de construção de dez casas para todas as sedes das três comunas. Em Capunda Cavilongo já foram concluídas quatro casas evolutivas e o processo de atribuição das mesmas acontece nos próximos dias. As comunas da Kihita e Jau foram contempladas, cada uma, com três residências sociais do tipo T3.
 O Jornal de Angola apurou que as obras estão também atrasadas, o que dificulta o processo da deslocação de quadros para estas localidades. O governador João Marcelino Tyipingue visitou também as obras do posto de saúde e das casas geminadas do tipo T2, na localidade de Chitata, já em fase de conclusão.
 O encarregado das obras, financiadas pelo Fundo de Apoio Social (FAS), garantiu a entrega dos empreendimentos sociais dentro de duas semanas.

Tempo

Multimédia