Províncias

Merenda escolar incentiva assiduidade

André Amaro | Lubango

A introdução da merenda escolar nos 14 municípios da província  Huíla este ano lectivo está a incentivar a assiduidade e a assimilação dos conteúdos por parte dos alunos no meio rural, garantiu o vice-governador para a área Económica e Produtiva.

Numa primeira fase vão ser beneficiados centenas de alunos de cinco escolas em localidades onde a situação é considerada vulnerável
Fotografia: André Amaro \Lubango

Sérgio da Cunha Velho, que falava durante um encontro com administradores municipais, no quadro do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, explicou que, este ano, o programa de merenda escolar foi descentralizado para os municípios, tendo cada um recebido 40 milhões de kwanzas para o efeito.
A merenda escolar é um suplemento alimentar e nutricional destinado a promover a assiduidade e o efectivo cumprimento da escolaridade obrigatória, com privilégio para as zonas rurais, sublinhou.
Para cumprir as orientações da Organização Mundial de saúde (OMS) e dos ministérios da Saúde e Educação, recomendou o recurso a alimentos locais, com calorias e proteínas, como leite fresco, frutas, batata-doce e outros, que vão promover a produção agrícola das famílias camponesas e contribuir para o aumento do rendimento.
O vice-governador para a área Económica, Sérgio da Cunha Velho, pediu aos administradores municipais para privilegiarem com a merenda escolar as localidades onde o absentismo escolar é mais elevado, devido à falta de condições por parte dos pais e encarregados de educação. As localidades onde o número de alunos vulneráveis é elevado vão ser privilegiadas pelo programa, para cativar a assiduidade e a assimilação.
A administradora municipal do Quipungo, Cândida Ucali, disse que, numa primeira fase, vão ser beneficiados 3.400 alunos de cinco escolas em localidades onde a situação é considerável vulnerável, como é o caso de Sendi, Sagrada Esperança, Maimana e nas zonas onde residem membros da comunidade khoisan.
O administrador municipal de Quilengues, Armando Vieira, informou que as escolas situadas nas localidades mais afectadas pela seca vão ser as privilegiadas para motivar os alunos a irem à escola. Além disso, acredita que através da merenda escolar muitos pais e encarregados de educação vão preferir mandar as crianças à escola em vez de elas irem para o pasto, como acontecia até aqui.
O administrador do município dos Gambos, Elias Souva, considerou um valor acrescentado a inserção das famílias camponesas na produção de alimentos para suportar o programa de merenda escolar, uma vez que isso vai incentivar a produção.

Tempo

Multimédia