Províncias

Milhares de professores enquadrados na Huíla

Arão Martins | Luanda

A direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia da Huíla enquadrou, até Março, 13.570 professores, do ensino primário ao secundário do II Ciclo, no novo Estatuto de Carreira Docente, dos 17.835 existentes na província.

Autoridades locais estão apostadas em fazer baixar os índices de analfabetismo
Fotografia: Jornal de Angola

A direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia da Huíla enquadrou, até Março, 13.570 professores, do ensino primário ao secundário do II Ciclo, no novo Estatuto de Carreira Docente, dos 17.835 existentes na província.
O responsável do Departamento dos Recursos Humanos daquela direcção, Tadeu Calombo, disse que 3.200 outros professores vão ser igualmente enquadrados no mesmo estatuto, ainda no decorrer do segundo trimestre do ano em curso, por constarem da lista do Ministério da Educação.
Tadeu Calombo deu esta informação quando dissertava sobre o tema “O novo Estatuto da Carreira Docente, uma componente para a valorização dos profissionais do sector”, no âmbito do VI Encontro Metodológico da Direcção Provincial da Educação, Ciência e Tecnologia da Huíla, que decorreu de 14 a 16 de Abril, no município da Humpata.
Até final do mês de Março foram recebidos 800 novos processos posteriormente enviados à direcção central para o mesmo propósito.
“O novo Estatuto de Carreira é, efectivamente, uma das componentes para a valorização dos profissionais da educação, uma vez que, devidamente implementado, permite melhorar as condições técnico-científicas, sócio-laborais, o bom desempenho profissional, o reconhecimento da actividade docente pela sociedade, estimular as novas gerações a abraçarem o professorado, a promoção social, o desenvolvimento do sentimento patriótico e a melhoria das condições salariais”, explicou.
Tadeu Calombo sublinhou ainda que, a nível da província, existem cerca de 500 professores que até à data não aderiram ao processo de actualização das categorias, o que preocupa a direcção provincial da Educação, pois no entender desta esses professores ou não existem, por diversas razões, ou não possuem as habilitações literárias pelas quais foram enquadradas no anterior Estatuto.
O responsável concluiu que o Novo Estatuto Orgânico do Docente do Ensino Primário ou Secundário, Técnicos Pedagógicos e Especialistas de Administração da Educação é uma valia para o sector e para a sociedade em geral porque, apesar das dificuldades que ainda existem na sua implementação, “tem contribuído significativamente para a melhoria da qualidade de ensino e das condições sócio-laborais e profissionais dos professores”. Tadeu Colombo convidou ainda os docentes que ainda não aderiam ao processo para que o façam em beneficio de todos.

Tempo

Multimédia