Províncias

Moderno centro ortopédico melhora assistência hospitalar

Estanislau Costa | Lubango

A assistência médica e outros cuidados especializados às pessoas portadoras de deficiência está, desde o princípio do mês de Agosto, a ser feita em condições apropriadas, com a entrada em funcionamento das novas infra-estruturas do Centro Ortopédico do Lubango.

Vice-presidente da Fundação Lwini inaugurou o Centro Ortopédico do Lubango que conta com condições e tecnologia sofisticada
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

A unidade hospitalar, localizada na nova centralidade da Eywa, projectada para internar 20 pacientes, possui vários consultórios para intervenções nas áreas psicomotoras, terapia da fala, psicologia, avaliação médica, refeitório, farmácia, balneários para ambos os sexos e área de recuperação de pessoas com deficiência.
O director provincial da Saúde na Huíla, Altino Matias, explicou ao Jornal de Angola que os serviços de ortopedia são agora feitos em melhores condições e tecnologia sofisticada, com instalações apropriadas e maquinaria moderna para o fabrico de diversos acessórios.
O centro ajuda as pessoas a recuperarem de deficiência congénita ou adquirida por acidente, com vista a atingir mobilidade e a integração social nas províncias da Huíla, Namibe e Cunene. “Os técnicos especializados, entre nacionais e expatriados, asseguram o atendimento específico de fisioterapia”, revelou.
Altino Matias esclareceu que o tratamento fitoterapêutico contribui para que as pessoas com deficiência ganhem força física, favorável ao uso confortável dos aparelhos produzidos na oficina, com realce para as próteses. Os aparelhos auxiliares são produzidos localmente, fruto da acção do Governo, em parceria com várias organizações, com destaque para a Fundação Lwini. O Centro Ortopédico do Lubango está agora em condições de tratar deformações adquiridas ou congénitas, assim como fracturas provocadas por acidentes de motociclos ou modalidades desportivas, segundo o director provincial da Saúde.
A Fundação Lwini, acrescentou, ofereceu à instituição hospitalar dez cadeiras de rodas e 38 muletas. 
“Nós empenhamo-nos em tratar os pacientes e reinseri-los na sociedade, um facto que deve envolver vários organismos públicos e privados”, realçou Altino Matias.
 
Novas instalações

 
As novas infra-estruturas do Centro Ortopédico da cidade do Lubango e as melhorias nos serviços prestados por mais de 80 médicos e técnicos básicos reduziu o recurso, por angolanos, a cuidados médicos na Namíbia.
Neusa Macedo, satisfeita por beneficiar de uma cadeira de rodas eléctrica, disse que o atendimento no novo centro é rápido e os técnicos são “muito atenciosos e pacientes”. “Vale a pena vir ao hospital porque a pessoa com deficiência, principalmente nos dois membros, deixa de se sentir só e encontra alternativa”, acrescentou.
“O meu problema de locomoção está agora resolvido, com a nova cadeira eléctrica que recebi e já posso continuar com os meus estudos e trabalhar para ajudar o meu esposo a sustentar os nossos dois filhos”, disse  Neusa Macedo.
Francisco Calonso, 44 anos, deficiente do membro inferior direito, cancelou a viagem a Windhoek, capital da Namíbia, para adquirir uma prótese, por haver condições de ser produzida no Centro Ortopédico do Lubango. “Já me sinto bem com a prótese que me deram e estou em fase de adaptação”, assinalou.

Tempo

Multimédia