Províncias

Mulheres recebem equipamentos agrícolas

Arão Martins | Hoque

Mulheres agrupadas em associações de camponeses nas localidades de Chihingui, Aiya, Tchaquela, Vindossa, Nahenda, Maquevo e Cacimo, na comuna do Hoque, vão aumentar os níveis de cereais e hortícolas, na campanha agrícola 2015/2016, com a recepção de equipamentos agrícolas.

Crescimento económico especialmente na agricultura tem sido fundamental para a redução da taxa de pessoas afectadas pela fome e pobreza
Fotografia: Arão Martins

Os meios foram entregues pela Direcção Provincial da Agricultura da Huíla, através do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), em conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).   
No acto, cerca de 80 mulheres foram entregues agraciadas com catanas, enxadas europeias e tradicionais, limas, charruas e fertilizantes.
Em nome dos beneficiados, a camponesa Ana Baltazar disse que as actividades do campo não têm sido fáceis, por causa, entre outros motivos alheios à vontade dos associados, das fracas chuvas dos três últimos anos.
Com a seca, Ana Baltazar disse que a produção baixou e complicou a capacidade financeira para a aquisição de meios, como adubo, motobombas, mangueiras, furos de água e de sementes de cebola, repolho, tomate, cenouras e outras espécies.
A camponesa disse que associação reconhece as acções que o Governo tem feito, principalmente na disponibilização de meios, para melhorar a situação alimentar, e acrescentou que mesmo com a estiagem tem sido feito o aproveitamento das baixas, com vista a manter a produção.
O representante regional sul da FAO, Matteo Tonini, afirmou que o crescimento económico, especialmente na agricultura, tem sido fundamental para a redução da taxa de pessoas afectadas pela fome e pobreza.
Matteo Tonini informou que as nações em desenvolvimento em todo o mundo estabeleceram medidas de protecção social, oferecendo às pessoas apoio regular e acesso aos programas de auto-ajuda, visto que esses planos são acções primordiais no combate à fome e à pobreza.

Os mais afectados

A maioria das pessoas pobres e afectadas pela fome em todo o mundo pertence a famílias das zonas rurais, que dependem directamente da agricultura para o seu sustento diário e própria subsistência.
Tonini louvou as acções que têm sido desenvolvidas pelo Executivo, no que toca à construção e reabilitação de infra-estruturas, apoio no sector da Agricultura, o que está a permitir o combate à fome e à pobreza no meio rural, proporcionando desta maneira o bem-estar às famílias.
O representante da FAO defendeu a contínua realização de acções que visam a protecção social, visto que permite que as famílias pobres e vulneráveis tenham uma visão de vida mais longa, trazendo esperança e capacidade de planear o futuro.“A protecção social aumenta tanto as actividades agrícolas e não agrícolas, fortalece a subsistência e aumenta os rendimentos das famílias”, disse, para adiantar que a protecção social promove também maiores investimentos na educação e na saúde das crianças e reduz o trabalho infantil.
A directora provincial da Família e da Promoção da Mulher na Huíla, Catarina Manuel, mostrou-se satisfeita com a participação das mulheres na produção, o que tem garantido alimentos para as famílias e desenvolvimento do país e da província da Huíla.

Outras batalhas

O acesso aos serviços básicos, valores morais, luta contra a violência doméstica e acesso às práticas culturais, viabilidade ambiental, cidadania e igualdade de género e associativismo são cada vez mais um facto, disse. As autoridades continuam a construir e a reabilitar escolas, unidades clínicas, vias de acesso, bem como a distribuir inputs agrícolas e materiais para a produção. O Governo Provincial da Huíla, através da Direcção da Agricultura e Desenvolvimento Rural, fez a entrega de algum material composto por 86 inputs, que vão permitir aumentar os níveis de produção e de colheita.
A diversificação da economia e a agricultura familiar são primordiais para responder aos desafios do Executivo. “É preciso trabalhar para que o rendimento familiar seja um facto, trabalhando a terra”, rematou.

Tempo

Multimédia