Províncias

Municípios apostam na agro-pecuária para erradicação da fome e da pobreza

Domingos Mucuta | Lubango

O incentivo da agro-pecuária, através de apoios aos agricultores e criadores de gado associados em cooperativas é uma das apostas da administração municipal de Quilengues, como estratégia de combate à fome e à pobreza no seio das populações, disse ontem ao Jornal de Angola o representante do governo naquela circunscrição.

Governador da Huíla Isaac dos Anjos pediu empenho dos novos administradores na materialização dos programas do Executivo
Fotografia: Domingos Mucuta

O incentivo da agro-pecuária, através de apoios aos agricultores e criadores de gado associados em cooperativas é uma das apostas da administração municipal de Quilengues, como estratégia de combate à fome e à pobreza no seio das populações, disse ontem ao Jornal de Angola o representante do governo naquela circunscrição.
Armando Vieira, empossado ontem na cidade do Lubango pelo governador da Huíla, Isaac dos Anjos, sublinhou a importância de intensificar os créditos agrícolas aos camponeses para incentivar a produção de alimentos.
Para o Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento e Combate à Pobreza no município, foram investidos 200 milhões de kwanzas, que vão ajudar no desenvolvimento da agricultura e estimular a produção em larga escala.
A administração, segundo o responsável, vai aproveitar o potencial agrícola do município e dos camponeses, no sentido de dinamizar a actividade para que a agro-pecuária possa contribuir na minimização da fome e pobreza.
“Um dos grandes objectivos da política de desenvolvimento do Executivo consiste em minimizar os efeitos da pobreza. Vamos dar o máximo para que estes programas atinjam com os propósitos desejados”, frisou.
Armando Vieira ressaltou que os sectores da Saúde, Educação, saneamento básico e água e as vias de comunicação são outras prioridades, além da reabilitação das vias de comunicação secundárias e terciárias, para facilitar o escoamento dos produtos.
Também vai ser dada uma atenção ao processo de actualização do registo eleitoral, visando abranger maior número de cidadãos em idade eleitoral.
O município de Quilengues, potencialmente agropecuário, possui uma superfície de 4.464 quilómetros quadrados e uma população estimada em 134 mil habitantes.
O administrador adjunto do município de Chipindo, Francisco Bongue, alertou que a localidade precisa de maior atenção em vários domínios, referindo que a principal preocupação é a degradação da estrada do desvio do Kuvango, que carece de intervenção para facilitar a circulação de pessoas e bens.
Considerou a construção de silos agrícolas nas áreas de cultivo como uma mais-valia que vai permitir a conservação de cereais. “Vamos trabalhar arduamente para melhorar o acesso à sede do município”, prometeu.
Luísa Fernando, administradora adjunta da comuna do Hoque no Lubango, disse que a grande prioridade recai para acções no domínio da construção de escolas, postos de saúde e distribuição de água e energia.
O governador da Huíla, Isaac dos Anjos, pediu muito empenho dos novos dirigentes na materialização dos programas do Executivo, visando a melhoria do bem-estar dos cidadãos.

Tempo

Multimédia