Províncias

Municípios com mais especialistas de clínica geral

Arão Martins| Lubango

Os hospitais municipais da província da Huíla vão receber 27 novos médicos formados por diversas universidades do país e que chegaram, nos próximos, dias à cidade do Lubango.

Com a entrada de novos médicos é mais fácil combater as grandes endemias que se registam nas várias regiões da província
Fotografia: Arimateia Baptista| Lubango

O representante dos médicos, Paulo Miguel Luvambo, explicou que do grupo constam médicos que já trabalharam no ano passado a título experimental nas principais unidades hospitalares da província da Huíla.
Paulo Miguel Luvambo disse que dos 27 médicos, todos de clínica geral, nove são mulheres tendo algumas já começado a trabalhar no centro de cólera do Lubango. “Os médicos terminaram a sua formação e depois do seu programa de trabalho experimental na Huíla aceitaram o convite do Governo da Província para prestar assistência médica às populações em diferentes municípios”, referiu Paulo Luvambo.
Os médicos trabalharam no hospital central, na pediatria do Lubango e nos centros de saúde dos municípios de Caluquembe, Caconda, Quilengues e Gambos.
O representante dos médicos explicou que existem nos municípios de Caluquembe, Caconda, Quilengues, Gambos, Cacula, Chicomba, Chipindo, Humpata, Cuvango, Jamba, Matala e Quipungo condições hospitalares para um bom ­desempenho dos profissionais. Paulo Miguel Luvambo informou que a par das unidades hospitalares, o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, garantiu aos médicos terem sido construídas casas nesses municípios e a colocação de outros serviços para alojar os médicos nacionais. “Com a integração de mais médicos jovens, as grandes doenças e as urgências começam a ser tratadas e a funcionar nos municípios.” Um hospital municipal, disse Paulo Luvambo, tem de ter uma capacidade acima de 30 camas, serviços de cirurgia, ortopedia, obstreta a funcionar, pediatria e medico geral, pois só assim se pode dar solução às situações clínicas. O director Provincial da Saúde na Huíla, Altino Matias, esclareceu que a aposta do Governo Provincial é colocar médicos em todos os municípios da província.
Além da colocação de médicos nos municípios responsável afirmou que a prioridade recai também no preenchimento de vagas nos centros de saúde e postos das comunas e bairros periféricos da cidade do Lubango. Numa primeira fase os médicos vão ser formados em gestão de saúde e os não-licenciados vão fazer formação em gestão gerencial em saúde.
A formação vai ser feita pelo Ministério da Saúde e Governo Provincial e parceiros na Huíla, com a homologação já discutida com a Universidade Mandume ia Ndemufayo.
O director provincial da Saúde na Huíla explicou, em conferência de imprensa, que os médicos vão trabalhar nos catorze municípios que compõem a província da Huíla. Altino Matias mostrou-se satisfeito com o interesse manifestado pelos administradores municipais na colocação dos novos médicos, que vai contribuir para os programas de expansão dos serviços de saúde.
“Queremos melhorar a capacidade de resposta dos hospitais e rentabilizar todos serviços em recursos humanos e de equipamentos e no tratamento dos dados epidemiológicos”, disse.
O director provincial da Saúde na Huíla acrescentou que o número de médicos ainda é ínfimo na província, pois, dos 14 municípios existentes, cinco estão desprovidos de profissionais da saúde  residente, o que pode ser minimizado com a colocação dos primeiros médicos formados na Faculdade de Medicina da Universidade Mandume ya Ndemufayo.

Tempo

Multimédia