Províncias

Novas escolas abrem portas em 2011

André Amaro | Lubango

Cerca de 1.500 crianças, que estão fora do sistema normal de ensino e aprendizagem, na província da Huíla, vão ser enquadradas no próximo ano lectivo, quando forem concluídas as obras de construção de quatro escolas, com seis salas de aula cada.

Cerca de 1.500 crianças que estão fora do sistema normal de ensino vão poder continuar a aprender a ler e a escrever
Fotografia: Kindala Manuel

Cerca de 1.500 crianças, que estão fora do sistema normal de ensino e aprendizagem, na província da Huíla, vão ser enquadradas no próximo ano lectivo, quando forem concluídas as obras de construção de quatro escolas, com seis salas de aula cada.
A consignação das obras de construção foi realizada na quinta-feira, em cerimónia presidida pelo director-adjunto do gabinete do Plano do governo da província, Armando Vieira.
Os municípios do Lubango (bairros Hélder Neto, Nambambe, Quilemba) e de Cacula são aqueles onde irão erguer-se os estabelecimentos de ensino, por serem as localidades em que há mais crianças fora do sistema de ensino.
O director-adjunto adiantou que as obras vão ser executadas num prazo de 180 dias, no sentido de permitir que as crianças em questão possam ser enquadradas no sistema, no ano lectivo 2011.
A construção de cada escola, segundo Armado Viera, está orçada em cerca de 29 milhões de kwanzas, valor que não inclui os seus apetrechamentos, o que está reservado para a segunda fase do projecto. “O governo criou condições financeiras para que as empresas construtoras possam cumprir com os prazos previstos no contrato”, garantiu o responsável.
Entretanto, três mil novos professores foram enquadrados no sector da Educação, na Huíla, no âmbito do concurso público realizado em Janeiro deste ano, com vista a colmatar as dificuldades que a região vivia. Os novos professores estão distribuídos pelos diversos níveis de ensino, sendo 105 para o segundo ciclo e ensino médio, 950 no primeiro ciclo do ensino secundário e dois mil ocupam vagas no primário, onde a carência é maior. A inserção dos novos agentes de ensino e a conclusão das obras de construção das escolas vão permitir absorver 30 mil crianças no sistema de ensino nos 14 municípios da província.
Com o enquadramento deste pessoal, a direcção provincial da educação na Huíla passa a ter 20 mil professores e 1.630 escolas do ensino geral.

Tempo

Multimédia