Províncias

Novas salas para milhares de estudantes

Arão Martins | Lubango

A construção e inauguração de estabelecimentos escolares nas comunas do Hoque, Quilemba, Huíla e Arimba deixam satisfeitos pais e encarregados de educação  das referidas localidaes.

Construção e reabilitação de salas bem como a admissão de docentes vai fazer com que mais crianças nas comunidades possam aprender a ler e escrever em melhores condições
Fotografia: Arão Martins | Lubango

A construção e inauguração de estabelecimentos escolares nas comunas do Hoque, Quilemba, Huíla e Arimba deixam satisfeitos pais e encarregados de educação  das referidas localidaes.
António Capato, pai de quatro   filhos, vive na comuna da Quilemba. Afirmou ao Jornal de Angola que a sua localidade beneficiou de uma escola de seis salas para o ensino primário, onde confirmou a matrícula dos seus filhos.
“Precisei apenas de caminhar   durante cinco minutos para chegar à escola e confirmar a matrícula dos filhos que estudavam debaixo de uma mulembeira que dista três quilómetros de casa”, disse.
O estabelecimento escolar foi equipado com novas carteiras, quadros e tem ainda gabinetes para o director e seu adjunto, uma secretaria, sala para professores, um pátio e uma área vasta para ampliação futura. Na comuna de Arimba também foi construída uma escola do ensino primário.
A população de Caculuvar, na mesma comuna, recebeu uma  escola do primeiro ciclo do ensino secundário com seis salas, construída de raiz. O estabelecimento vai receber 400 alunos. A administração municipal do Lubango empregou 20 milhões de kwanzas para a construção da escola.

Casas para professores

O responsável da povoação de Caculuvar, Francisco Mbuta, falou da importância das novas escolas, referindo que os estabelecimentos vão ajudar a diminuir o número de alunos que estudam debaixo de     árvores e dos que ainda se encontram fora do ensino normal.
O município do Lubango, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza e os projectos do Programa de Investimentos Públicos (PIP), beneficiou de 68 novas  salas, o que vai permitir que 6.120 alunos deixem de estudar ao relento. As salas foram construídas pela administração municipal do  Lubango, nas comunas de Arimba, Huíla, Hoque e Quilemba.  O administrador municipal do Lubango, Manuel Capenda, disse que graças a estas acções, muitos alunos vão estudar em melhores condições, no próximo ano lectivo.
A par da construção das escolas, a administração municipal do Lubango construiu residências nas comunas de Hoque, Quilemba e Arimba para acomodar os professores. As residências são do tipo T2 e foram construídas em 80 dias.
 As moradias custaram 14 milhões de kwanzas. A administradora comunal do Hoque, Luísa Caputo, disse que a residência construída na sua comuna vai atrair mais professores a fixarem residência. Muitos docentes que leccionam na comuna vivem na cidade do Lubango e faziam ida e volta. 
“Temos a certeza de que a inauguração desta estrutura vai servir de mola impulsionadora para que outras também sejam erguidas, pois o país cresce e o Executivo tem sabido acompanhar as dificuldades da comunidade na falta de habitações e não só”, disse.
O professor Paulo Cavela reconheceu que a residência vai minimizar a carência que se vive na comuna em relação ao alojamento dos professores. Acrescentou que embora seja ainda insuficiente, os professores estão cientes de que o Executivo está e vai estar sempre empenhado na resolução de situações ligadas a infra-estruturas, com vista à melhoria das condições de habitação de todos os funcionários, incluindo os professores.
Paulo Cavela precisou que a comuna tem 397 professores. Destes, 70 por cento vivem na cidade do Lubango por falta de habitação. “Por isso, agradecemos este gesto e esperamos que sejam beneficiados todos aqueles que se encontram efectivos nessa comuna, criando assim incentivo a todos os profissionais”, concluiu.

Tempo

Multimédia