Províncias

OMS forma jornalistas da região Centro e Sul

André Amaro | Lubango

Jornalistas da região Centro e Sul do país estão, desde quarta-feira, na cidade do Lubango, a aperfeiçoar as técnicas de promoção da saúde e mobilização das comunidades.

Jornalistas da região Centro e Sul do país estão, desde quarta-feira, na cidade do Lubango, a aperfeiçoar as técnicas de promoção da saúde e mobilização das comunidades.
A formação é promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e conta com a participação de jornalistas de vários órgãos de Comunicação Social das províncias do Bié, Huambo, Kuando-Kubango, Cunene e Huíla.
O seminário visa preparar os jornalistas para o necessário suporte mediático às campanhas de vacinação e de prevenção da saúde.
Os participantes abordam temas como estratégias para a erradicação da Pólio em Angola, prevenção de doenças e vigilância comunitária, contribuição dos media na melhoria de conhecimentos e na motivação da população.
Na abertura do encontro, o vice-governador da província da Huíla para a área Política e Social, José Arão, disse que esta formação vem fornecer aos profissionais da Comunicação Social ferramentas, metodologias e técnicas para ajudar a educar a população sobre saúde preventiva.
José Arão adiantou que o governo está interessado e empenhado em melhorar cada vez mais as formas de intervenção e mobilização, para adesão aos serviços de saúde e diminuir os indicadores do Pólio vírus, sobretudo naquelas áreas da província onde a sua incidência ainda é relevante.

Combate à pólio

O oficial de comunicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Angola, José Caetano, sublinhou que esta formação vem num momento propício, pois Angola necessita de consolidar os progressos alcançados na erradicação da pólio.
“Ainda temos muitos problemas de saneamento e o vírus da pólio tem a tendência de circular com maior facilidade. O risco de contaminação é maior, logo, devem ser maiores as mensagens para que as crianças sejam vacinadas”, sublinhou o oficial de comunicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Angola.
José Caetano avançou que o papel dos jornalistas neste processo é reforçar os conhecimentos através de mensagens de alerta constantes, programas e debates em português e nas línguas nacionais, para que a população adira aos programas de saúde.
“A nossa ideia é que os meios de Comunicação Social desempenhem um papel activo na mobilização das famílias no sentido de levarem os seus filhos às campanhas de vacinação, para que as crianças tenham maior imunidade para com o vírus”, sublinhou oficial de comunicação da OMS.

Tempo

Multimédia