Províncias

ONU disponibiliza acima de seis milhões para a seca

Domingos Mucuta | Lubango

O oficial de Programas e Questões Humanitárias do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), Luís Samacumbi, revelou, ontem, na cidade do Lubango, que a instituição que representa disponibilizou seis milhões e 400 mil dólares para beneficiar mais de 500 mil pessoas vítimas da seca na Região Sul do país.

Técnicos formados pela ONU vão auxiliar a distribuição de bens de primeira necessidade às famílias afectadas pela seca
Fotografia: Domingos Mucuta| Lubango

Luís Samacumbi, que falava no final da formação de 27 coordenadores e parceiros das províncias da Huíla, Namibe, Cunene e Bié, regiões para as quais vai ser canalizada a aludida ajuda humanitária, disse que o valor foi dividido para quatro agências da ONU em Angola, concretamente a Organização Mundial da Saúde (OMS), os fundos para a Infância (UNICEF) e para a População (FNUAP) e para a Alimentação e Agricultura (FAO).
Por seu lado, o representante do Unicef na Região Sul, Paulo Mendes, garantiu que as agências das Nações Unidas em Angola têm todos os mecanismos de intervenção afinados para dar resposta humanitária às vítimas da seca no Sul do país.
Paulo Mendes disse que a aludida formação, promovida pelo FNUAP, está inserida no programa de emergência de apoio às famílias afectadas pela seca nas quatro províncias referidas, acrescentando que as Nações Unidas lançaram um apelo para a captação de recursos para colmatar os efeitos da estiagem. 

Recomendações
A aludida formação habilitou os participantes com ferramentas para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, particularmente VIH/Sida, noções sobre saúde sexual reprodutiva e fórmulas para evitar a violência doméstica.
Os recém-formados defenderam, num comunicado, apresentado pelo presidente dos comunicólogos de Angola, o jornalista André Sibi, uma coordenação multissectorial que visa dar resposta às questões humanitárias. “Equipas provinciais que forem criadas devem garantir o cumprimento dos planos que visam combater a intolerância, abuso sexual, fraude e a corrupção no processo de ajuda humanitária”, diz a nota. O assessor do vice-governador da Huíla para o Sector Político, Social e Económico, Otto Adriano, assegurou que o Governo Provincial está disponível para apoiar a equipa de coordenação que vai intensificar o apoio às vítimas da seca.

Tempo

Multimédia