Províncias

Palestras na Huíla abordam VIH/Sida e gravidez precoce

D. Mucuta | Lubango

Mais de 7.500 adolescentes e jovens do Lubango, província da Huíla,estão a ser instruídos sobre os métodos de prevenção do VIH/Sida, à luz do Projecto de Sensibilização de Meninas, implementado pela ONG Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP), em parceria com algumas escolas.

Encontros de sensibilização sobre os perigos da sida decorrem em várias escolas
Fotografia: Domingos Mucuta | Edições Novembro| Lubango

O projecto, financiado pelo Fundo Global, por meio do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), foi desenvolvido em 50 bancadas constituídas em escolas do I e II ciclo das comunas da Arimba, Huíla e dos bairros do Lubango, com foco nas meninas.
O coordenador adjunto do projecto, Zeferino Baião, explicou que foram sensibilizadas 4.696 meninas com idades entre 10 e 14 anos, 2.662 de 15 a 19 anos e 142 de 20 a 24 anos.
Segundo Zeferino Baião, 2.500 meninas foram sensibilizadas a aderirem aos centros de aconselhamento e testagem voluntária. Do grupo de 1.700 aconselhadas e testadas, houve o registo de dois casos positivos de VIH.
O coordenador adjunto disse que o projecto, orçado em 50 milhões de kwanzas, incluiu a formação de 25 activistas e o envolvimento de igual número de professores. Zeferino Baião destacou o apoio e a participação dos pais e encarregados de educação nas sessões de esclarecimento.
Durante 14 meses, o projecto utilizou teatro, música, palestras e apresentações animadas, para passar a informação e despertar as meninas sobre os perigos do início prematuro da actividade sexual e da gravidez precoce.
O projecto, que resulta de um protocolo entre o Governo de Angola e o Fundo das Na-ções Unidas para a População decorreu também nas províncias de Benguela e do Cu-nene, onde foram capacitadas igualmente meninas, como activistas capazes de multiplicar as informações sobre o VIH/Sida, saúde sexual e re-produtiva e como prevenir a gravidez precoce.
A implementação do projecto contribuiu também para informar a comunidade e formar um sistema de saúde pública mais actuante e efectivo, proporcionando respostas mais adequadas às necessidades reais da sociedade”, disse.
Acrescentou que a disseminação de informações junto das meninas sobre a prevenção contra as doenças sexualmente transmissíveis, saúde reprodutiva e gravidez precoce preconiza a consciencialização das adolescentes, para evitar problemas que prejudiquem o sucesso escolar.
A coordenadora do Gabinete de Apoio Psico-pedagógico da Direcção Municipal do Lubango da Educação, Carla Mariza Cassela, disse, na cerimónia de encerramento do projecto, que a situação do VIH no mundo atingiu níveis alarmantes, sendo necessárias acções de sensibilização dos adolescentes, futuro da sociedade.
“O desafio para inverter o quadro depende de todos. Estudos nacionais e internacionais apontam para a sensibilização e o aconselhamento, como práticas decisivas na redução do risco de exposição ao VIH/Sida. É preciso continuar a chamar a atenção das pessoas para a mudança de comportamento”, frisou.

Tempo

Multimédia