Províncias

Parteiras tradicionais do Lubango recebem instrumentos de trabalho

Domingos Macuta| Lubango

A responsável nacional do departamento de política familiar do Ministério da Família e Promoção da Mulher, Alberta Laurinda Domingos, disse quinta-feira, no Lubango, que 48 mil instrumentos profissionais foram distribuídos em todas as províncias, para apoiar as parteiras tradicionais na assistência às grávidas.

A responsável nacional do departamento de política familiar do Ministério da Família e Promoção da Mulher, Alberta Laurinda Domingos, disse quinta-feira, no Lubango, que 48 mil instrumentos profissionais foram distribuídos em todas as províncias, para apoiar as parteiras tradicionais na assistência às grávidas.
Alberta Laurinda Domingos referiu que o projecto de distribuição de instrumentos profissionais visa o reforço do trabalho de assistência sanitária desenvolvido pelas parteiras tradicionais nas comunidades.  Explicou, à margem do seminário regional sobre “Competências Familiares”, que o processo de apoio material e de formação vai continuar, numa parceria entre os ministérios da Família e Promoção da Mulher e da Saúde. Em Abril de 2009, explicou, 19 técnicas de saúde foram seleccionadas para frequentarem o segundo curso de especialização de parteiras tradicionais, com direito a estágio no Hospital Central Dr. Agostinho Neto, maternidade do Lubango e centros de saúde da capital da Huíla.
A formação, equivalente ao curso médio de enfermagem, durou 18 meses, num total de 2.070 horas de aulas, divididas em sessões teóricas e práticas. O primeiro curso, realizado de 2002 a 2006, formou 25 parteiras na região Sul.
 O objectivo dos cursos é a formação de profissionais especializadas na área de saúde reprodutiva, para actuar junto das comunidades, nos postos de saúde, centros médicos e maternidades.

Expansão de serviços

Os cursos abordaram, entre outras, questões sobre o perfil da parteira, gestão de uma unidade sanitária, cuidados com o recém-nascido, realização de parto seguro, identificação de casos de alto risco e relações humanas. Alberta Laurinda Domingos disse que o levantamento efectuado nas comunidades permitiu concluir que, apesar de existirem muitos postos de saúde, o sistema sanitário “ainda não chega às localidades mais longínquas”.
Alberta Laurinda Domingos garantiu que o departamento de política familiar do Ministério da Família e Promoção da Mulher promove encontros de troca de experiências entre velhos e jovens, para o intercâmbio de práticas positivas que contribuam para a participação dos pais no processo de educação dos filhos. “A relação era entre a mãe e o filho. Agora estamos a despertar o interesse dos pais para sublinhar que o relacionamento afectivo deles com os filhos ajuda no processo de desenvolvimento físico, emocional e intelectual das crianças”, sublinhou.  

Tempo

Multimédia