Províncias

Pastores dos Gambos têm a vida facilitada

Estanislau Costa| Gambos

Os criadores tradicionais de gado bovino e caprino dos municípios dos Gambos (Huíla), Bibala (Namibe) e Cahama (Cunene), desde Dezembro que deixaram de percorrer longas distâncias para encontrar água. As autoridades locais construíram novas chimpacas, bebedouros e sistemas de captação de água, para além de repararem os equipamentos que já existiam.

No município, em particular em Otimbo, foram criadas condições adequadas para o abastecimento de água ao gado bovino e caprino
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

Os criadores tradicionais de gado bovino e caprino dos municípios dos Gambos (Huíla), Bibala (Namibe) e Cahama (Cunene), desde Dezembro que deixaram de percorrer longas distâncias para encontrar água. As autoridades locais construíram novas chimpacas, bebedouros e sistemas de captação de água, para além de repararem os equipamentos que já existiam.
O programa, que visa melhorar a qualidade de vida das famílias da região sul, é executado pela “GFA Consulting Group” e o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural e tem a duração de três anos. A União Europeia (EU) financia o projecto, tendo disponibilizado mais de três milhões de dólares.
Pocolo, Vicolonga, Mapupu e Chimukwa, aldeias do município dos Gambos em Otimbo e Ediva, na Cahama, são os principais corredores de transumância, onde foram criadas condições adequadas para o abastecimento de água ao gado bovino e caprino.
A transumância é praticada pelos criadores tradicionais de animais da região sul (Huíla, Namibe e Cunene). Os pastores percorrem longos quilómetros à procura de água e melhores pastos para o gado, sobretudo bovino. As viagens acontecem geralmente na época do cacimbo ou quando existem estiagens prolongadas.
Na época seca, os pastores fazem marchas longas com dezenas de animais em vários pontos da região para alimentarem e dar de beber ao gado. As zonas do Tchimbolo e Tunda, dos Gambos, figuram como as áreas de convergência de toda a região sul, pela abundância de pastos e água.
 O pastor João Cawenho elogiou o programa de implantação de novas chimpacas e reparação de bebedouros levado a cabo pelo “GFA Consulting Group” e pelo Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural: “A água está agora mais próxima e os reservatórios estão em áreas com muito pasto”.
Os técnicos do Projecto Transumância, explicou, reuniram com os sobas, criadores tradicionais, pastores e sekulos, para determinarem os locais apropriados para instalação das chimpacas. “Fomos nós que indicámos os espaços onde estão as chimpacas e, isso foi bom porque facilitou a nossa actividade”, disse o pastor João Cawenho
 Acrescentou que neste momento chove com intensidade e os reservatórios antigos e novos estão a acumular muita água para servir os animais no tempo seco. “Agora que os bois deixaram de andar muito para beber água e alimentar-se, vão ganhar mais peso e ficam com melhor cotação no mercado”.
O soba António Caviango, também criador, com um efectivo bovino e caprino a atingir as 470 cabeças, esclareceu que os pastores perdiam muito coma transumância porque percorriam  longas caminhadas, “os animais não conseguiam ganhar peso”.
Afirmou que o projecto do “GFA Consulting Group” e do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural veio reforçar o programa “Água para Todos” de iniciativa presidencial, que reabilitou e construiu nas zonas mais recônditas do município dos Gambos um número considerável de fontanários e bebedouros para os animais.
Os novos pontos de abastecimento de água nos locais onde existe mais criação de gado, disse o soba António Caviango, contribuíram para a redução substancial de doenças causadas pelo consumo de água duvidosa pelos animais. “As queixas dos criadores sobre infecções nos animais quase que já não existem”.
 
Apoio social
 
O Fundo de Apoio Social (FAS) desenvolveu no município da Chibia, 45 quilómetros a sul da cidade do Lubango, um programa de melhoramento de abastecimento de água potável e saneamento básico que contemplou 130 mil pessoas.
A acção incidiu na reparação da Estação de Tratamento de Água e novos equipamentos, o que contribuiu para a melhoria do sistema de bombagem e de distribuição para as zonas urbanas e suburbanas.
As vilas do Jau, Quihita e Capunda Cavilongo foram também contempladas com a construção de estações de tratamento de água.
O Jornal de Angola apurou que a construção de 15 sistemas de captação de água equipados com bombas manuais e lavandarias comunitárias tornou mais fácil o acesso a água potável a centenas de famílias camponesas e ao gado.
A acção foi executada em parceria com a Direcção de Energia e Águas da Huíla e visou o aumento da capacidade de abastecimento de água e redução de doenças nas famílias e nos animais.
 
Capim elefante
 
O capim elefante pode ser a alternativa para alimentar o gado, principalmente nos anos de estiagem, facto que motiva o governador da Huíla, Isaac dos Anjos, a incentivar os administradores municipais, comunais e outras autoridades, a plantar capim elefante em terrenos impróprios para a produção agrícola.
Neste processo, se cada localidade plantar 200 hectares, já é um bom indicativo, e as quantidades obtidas pretendem suportar as necessidades das manadas e reduzir os gastos de energia dos animais ao percorrerem longas distâncias para pastarem.
O cultivo do capim elefante, defendeu Isaac dos Anjos durante a sua visita ao município da Matala, visa assegurar o desenvolvimento saudável do gado bovino e caprino, a principal riqueza da população huilana.
Para o governador da província da Huíla, todos os municípios devem arregaçar as mangas para plantar capim elefante e livrarem-se das perdas de animais por causa da fome: “quando as plantas se desenvolverem acabam as mortes de gado por causa da falta de pasto apropriado”.

Tempo

Multimédia