Províncias

População estudantil está a crescer

Arão Martins | Lubango

O reitor em exercício da Universidade Mandume ya Ndemufayo reconheceu, no Lubango, que houve um crescimento vertiginoso da população estudantil na instituição do ensino superior, sublinhado que em 2009 havia apenas 871 estudantes, contra os actuais 10.611.

Mais quadros para servir os vários sectores
Fotografia: Arimateia Baptista|Lubango

Abraão Mulangi falava no acto de outorga de diplomas aos 61 licenciados, das  Faculdade de Economia, Direito e Medicina. O académico disse que a instituição trabalha no sentido de prestar o seu contributo na formação do homem novo.
“Almejamos ser uma Universidade de referência em Angola e no mundo, por isso vamos continuar a envidar esforços para que possamos alcançar os objectivos”, sustentou.
Desde a sua existência, a Universidade Mandume ya Ndemufayo (UMN) promoveu relações privilegiadas com instituições de referência, procurando atrair o melhor para um pleno desenvolvimento das suas capacidades e talentos. Também procurou cumprir a sua missão na produção e difusão de conhecimentos para formar cidadãos e profissionais qualificados. O reitor em exercício disse que o modelo da Universidade Mandume ya Ndemufayo baseia-se nos princípios e práticas inovadoras que promovem a eficiência, a competitividade, a participação e o espírito de equipa. Reconheceu  que  o  espírito de equipa surtiu efeito, apesar da perda do seu primeiro reitor em 2011.
A Universidade Mandume ya Ndemufayo prima por uma cultura de sustentabilidade de cidadania responsável e de partilha, que valoriza o pensamento crítico e a liberdade de expressão, as vivências culturais, artísticas e desportivas e a complementaridade dos saberes.
A Universidade Mandume ya Ndemufayo é constituída  por três faculdades, a de Direito, Economia e Medicina e o Instituto Politécnico da Huíla, onde são leccionados 25 cursos. No Namibe estão as Escolas Superiores Politécnica e Pedagógica.
Uma das missões da Universidade Mandume ya Ndemufayo, segundo o reitor, é produzir e difundir conhecimentos para formar cidadãos e profissionais qualificados, empenhados no desenvolvimento sustentável de Angola, sustentando a visão de uma universidade clássica mas moderna. Abraão Mulangi agradeceu o grande contributo dos governadores provinciais da Huíla e Namibe que não têm poupado esforços e recursos na busca de soluções para os problemas que são colocados pela direcção da universidade, fazendo com que o ensino superior público seja uma realidade nesta região. Ao colocar no mercado novos licenciados, concretiza-se assim mais um sonho e o início de mais desafios na vida profissional dos formados.

Tempo

Multimédia